Instituto Camões quer promover ensino para aumentar alunos de português na Alemanha

O instituto Camões organiza hoje o colóquio "O ensino português na Alemanha no ensino básico e secundário - Que futuro?", em Estugarda.

Foto
Nuno Ferreira Monteiro

O instituto Camões pretende promover o ensino da língua para fazer crescer o número de alunos de português na Alemanha, disse à Lusa o coordenador do ensino naquele país.

Segundo Rui Vicente Azevedo, nesse sentido será organizado hoje o colóquio "O ensino português na Alemanha no ensino básico e secundário -- Que futuro?", em Estugarda.

Segundo o coordenador, a prioridade é "aumentar o número de alunos" e o colóquio, organizado pelo instituto Camões e pela embaixada de Portugal na Alemanha, vai servir para "mostrar resultados, promover o ensino da língua, sinalizar problemas e ouvir outros intervenientes no processo, entre eles pais e encarregados de educação".

Actualmente existem 2.811 alunos de português na rede de ensino da língua na Alemanha do instituto Camões. No ano lectivo de 2018/2019 houve um reforço de dois professores, num total de 37. Ainda assim, menos 15 professores que no ano lectivo de 2010/2011, altura em que o número de estudantes superava os 3.900.

"Não acreditamos que o ensino do português na Alemanha esteja comprometido. Apesar de termos crescido pouco, já é um aumento significativo. Principalmente quando houve a crise financeira, o número dos nossos professores diminuiu. Actualmente temos 37 professores, mais dois que no ano passado. Apesar de termos criado cinco cursos, os resultados mais efectivos do nosso reforço vão ser mais visíveis no próximo ano lectivo", sustentou Rui Vicente Azevedo.

O coordenador do ensino português na Alemanha e organizador do colóquio admite que há um "algum desinteresse pela aprendizagem do português", o que também acontece com outras línguas de herança.

"Temos de combater esse desinteresse promovendo acções de dinamização e de esclarecimento sobre os nossos cursos. Vamos elaborar um regulamento sobre os cursos para entregar aos pais e contactar com as instituições alemãs na área do ensino", realçou.

Rui Vicente Azevedo sublinhou a importância do contacto permanente com as autoridades alemãs, defendendo um "diálogo constante" que, nos últimos três anos, "tem dado bons resultados".

"Nós estamos num país estrangeiro, com regras próprias, com procedimentos próprios, a descentralização do ensino também nos cria alguns obstáculos porque cada estado federado tem autonomia e formas diferentes de lidar com o ensino", referiu.

O colóquio surge depois de "uma série de procedimentos que a embaixada de Portugal na Alemanha e a coordenação do ensino têm vindo a realizar desde Março de 2016 com as autoridades alemãs", descreveu o organizador, no sentido de ver, "de uma forma mais efectiva, o reconhecimento dos cursos, das avaliações dos alunos e dos exames de certificação, nomeadamente com a inserção e a menção da nota nos certificados finais".

A iniciativa, que conta com as intervenções de, entre outros, o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, do embaixador de Portugal na Alemanha, João Mira Gomes, e do presidente do Camões I.P., Luís Faro Ramos, define também como prioridade "fomentar o debate e a reflexão sobre o ensino português na Alemanha".

Sugerir correcção