PÚBLICO
Foto
PÚBLICO

Emigrantes temporários: língua portuguesa ensinada em plataforma digital

Plataforma digital de ensino da língua português vai ser lançada este mês. Destina-se aos filhos dos emigrantes que deixaram Portugal nos últimos anos

Uma plataforma digital de ensino da língua portuguesa vai ser lançada este mês para reforçar a oferta para crianças e jovens de pais que emigram temporariamente de Portugal, anunciou esta sexta-feira o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas.

José Luís Carneiro falava no início da primeira sessão de formação presencial, no Camões-Instituto da Cooperação e da Língua, para docentes da rede oficial e não oficial do Ensino de Português no Estrangeiro (EPE). A plataforma digital vai estar preparada com conteúdos, metodologias e uma pedagogia de ensino e aprendizagem para responder às necessidades de "crianças, adolescentes e jovens que acompanham os fluxos migratórios de carácter temporário que constituem uma das marcas que Portugal conheceu entre 2011 e 2015", afirmou.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) contabilizou 485.128 saídas do território nacional entre 2011 e 2014, mas muitas pessoas ficam fora apenas alguns meses ou anos. Naquele período, as saídas temporárias (inferiores a um ano) somaram 285.814. A tendência temporária e circular da emigração está a crescer, tendo as saídas temporárias, nesse período, passado de 56% para 63% do total.

As famílias envolvidas nestas saídas temporárias procuram manter a ligação dos filhos com a língua portuguesa, mas os cursos nos países de acolhimento (cursos de Português Língua de Herança, PLH) não respondem às necessidades das crianças e jovens destas famílias, com um desenvolvimento linguístico idêntico ao de jovens que ficaram em Portugal, explicou. O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas sublinhou o reforço da rede de ensino de português no estrangeiro, não só como língua de herança, mas também como uma língua de estatuto internacional e integrada na estrutura de ensino curricular dos países de acolhimento.

O ensino de língua de herança tem que continuar a ser garantido pelo Estado português às comunidades portuguesas no mundo, mas a língua portuguesa "precisa de evoluir tal como têm evoluído as comunidades portuguesas", afirmou. O novo estatuto do português deve passar "pela inclusão na estrutura de ensino curricular nos países de acolhimento, como uma língua integrada, aberta a todos que queiram aprender e a todos que a veem como um instrumento de vinculação à sua pátria, mas também a um mundo cada vez mais globalizado".

Neste âmbito, José Luís Carneiro destacou a abertura neste ano lectivo (2016-17), pela primeira vez, do ensino de português no segundo e terceiro ciclos em França, o que "abre as portas a mais de 400 mil alunos que passam a ter uma oferta de língua portuguesa no sistema de ensino francês". Esta medida "retira a língua portuguesa da lógica das minorias", disponibiliza uma oferta para todos os cidadãos franceses e permite uma transição mais fácil do primeiro ao terceiro ciclos, ensino secundário e superior em França.

"Queremos que a língua portuguesa seja um veículo de transição do pré-escolar ao ensino superior, tal como acontece em Portugal e dando as mesmas oportunidades aos portugueses que vivem fora" do país, disse. A rede EPE conta com 585 professores, 44 leitores e 85 mil estudantes na África do Sul, Namíbia, Suazilândia, Zimbabué, Canadá, Estados Unidos, Venezuela, Alemanha, Espanha e Andorra, França, Luxemburgo, Bélgica, Países Baixos, Reino Unido, Suíça e Austrália. Até ao momento, estão inscritos 43.234 alunos de português no estrangeiro para o próximo ano lectivo (2016-17), de acordo com dados do Instituto Camões.