Unsplash
Foto
Unsplash

Megafone

A bosta do politicamente incorrecto

Para os politicamente incorrectos, a liberdade de expressão tem dias e tem cor, só que não é a de Mamadou Ba.

“Deixem-me ser politicamente incorrecto”, pedem-nos. E nós deixámos. Outra coisa não temos feito nós nas últimas décadas, aliás, se não deixá-los ser politicamente incorrectos, se não conceder-lhes carta branca nas páginas de opinião, no espaço de comentário televisivo, nas redes sociais ou no escaparate dos livros mais vendidos. Curiosa “ditadura do politicamente correcto” esta que lá vai permitindo que os seus opositores se expressem e que façam da sua opinião carreira, entre avenças dos jornais, entrevistas e debates, e que ajuda a resgatar vidas políticas, jornalísticas e académicas de outro modo olvidáveis.

Alguém caído de pára-quedas no nosso país poderia até atrever-se a pensar que o politicamente incorrecto é um antídoto contra a irrelevância e um atalho fácil para os cliques, os likes e os comentários. Que o único obstáculo a uma carreira no politicamente incorrecto parece ser a concorrência, tal é a quantidade de colunistas politicamente incorrectos em certos jornais e tal é a semelhança entre as suas reflexões e a opinião do cidadão comum num café ou numa caixa de comentários.

É que de facto não faltam senhores a dizerem-nos coisas supostamente corajosas, desassombradas e lúcidas. A explicarem-nos, com doses variáveis de elegância e subtileza, que não há racismo em Portugal, que eu até tenho amigos negros e que o anti-racista é o verdadeiro racista. Que as mulheres não são vítimas de discriminação e assédio, que qualquer dia já não se pode dizer nada a uma miúda. Que uma pessoa LGBT não se pode queixar, que qualquer dia o heterossexual é que é uma minoria perseguida. Que isso da pobreza tem muito que se diga, que o problema são os subsídios, as parabólicas nas barracas e o pequeno-almoço no café. Que, enfim, se nós conseguimos vingar e ter uma vidinha confortável, então não há desculpas para quem ficou para trás.

A “ditadura do politicamente correcto”, frouxa e incompetente, pelos vistos, lá vai permitindo também que os politicamente incorrectos socorram os seus mártires. Em nome da liberdade de expressão, até um nazi na televisão é uma espécie protegida. Porque, já dizia Voltaire (só que nunca o disse), “posso não concordar com o que dizes, mas defenderei até a morte o teu direito de dizê-lo”. Ou como dizia Churchill (só que também nunca o disse), “os fascistas do futuro chamar-se-ão antifascistas”.

Aqui chegado, alguém minimamente atento já terá suspeitado que a teoria da “ditadura do politicamente correcto” é uma fraude. Mas para quem esteve distraído, a semana passada encarregou-se de nos fornecer a prova cabal. 

A de outro modo generosa solidariedade dos politicamente incorrectos não é pelos vistos extensível a Mamadou Ba, dirigente anti-racista português nascido no Senegal. Mamadou Ba ousou insurgir-se contra actos suspeitos de violência policial contra negros, que estão a ser investigados como tal pelo Ministério Público e, imagine-se, atreveu-se a utilizar um vocábulo escatológico para se referir a elementos violentos e racistas da Polícia de Segurança Pública. 

Surpreendentemente, este acto de incorrecção política foi mal acolhido por muitas vozes que habitualmente se queixam do policiamento das palavras e da opinião. O PNR, por exemplo, que ao longo da sua história albergou indivíduos condenados judicialmente por ódio racial e uma miríade de outros crimes, organizou uma espera a Ba para o ameaçar e dizer que não podia ter escrito o que escreveu, sobretudo sendo um estrangeiro “pago por nós”, acusando-o de… ódio racial.

Nuno Melo, eurodeputado do CDS-PP e cabeça-de-lista às europeias de Maio, achou pertinente dizer que Ba é “um cidadão senegalês” e omitir que é igualmente um cidadão português, acrescentando que aos estrangeiros em Portugal só exigimos uma coisa: que respeitem as nossas leis”. Nuno Carvalho, vereador do PSD em Setúbal, foi mais longe e anunciou que iria enviar as declarações de Ba para o Ministério Público para este “avaliar se existe razão para lhe instaurar um processo judicial”. João Moura, deputado social-democrata e presidente da distrital de Santarém, mandou-o “(ba)rdamerda”.

Delito de opinião?

No espaço de uma semana, o português Mamadou Ba foi então reduzido a mero estrangeiro, como se tal lhe reduzisse o direito a exprimir-se livremente. Mais do que isso, foi-lhe lembrado que por mais anos que viva em Portugal, onde trabalha e construiu família, o nome, a cor e a origem vão sempre impedi-lo de ser português aos olhos de alguns brancos.

Foi denunciado ao Ministério Público por delito de opinião. Foi cercado na rua e mandado bardamerda. Nas redes sociais tem sido insultado, destratado e alvo de boatos antigos e requentados sobre o seu salário. Por fim, foi ameaçado de morte ao ponto de ter pedido protecção policial.

Passou-se uma semana e foram poucas — mesmo muito poucas, quase nenhumas — as declarações públicas em defesa da liberdade e da segurança de Mamadou Ba, o dirigente anti-racista que, paradoxalmente, é um dos maiores bichos papões da tal “ditadura do politicamente correcto”. Para os politicamente incorrectos, a liberdade de expressão tem dias e tem cor, só que não é a de Mamadou Ba.