Sindicatos querem levar trabalhadora despedida de corticeira à Assembleia da República

Cordão humano de apoio juntou, este sábado, cerca de 130 pessoas em Santa Maria da Feira.

Cristina Tavares diz que só quer o posto de trabalho de volta
Fotogaleria
Cristina Tavares diz que só quer o posto de trabalho de volta Adriano Miranda
A manifestação de apoio começou por volta das 15h30
Fotogaleria
A manifestação de apoio começou por volta das 15h30 Adriano Miranda
O secretário-geral da CGTP esteve, de novo, presente na acção de protesto
Fotogaleria
O secretário-geral da CGTP esteve, de novo, presente na acção de protesto Adriano Miranda
Cristina Tavares recebeu palavras de apoio de vários participantes
Fotogaleria
Cristina Tavares recebeu palavras de apoio de vários participantes Adriano Miranda
A empresa que a despediu é acusada de "assédio moral"
Fotogaleria
A empresa que a despediu é acusada de "assédio moral" Adriano Miranda
Em fila indiana, os manifestantes contornaram o quarteirão da câmara
Fotogaleria
Em fila indiana, os manifestantes contornaram o quarteirão da câmara Adriano Miranda
Os sindicatos dizem que estão prontos para continuar a lutar
Fotogaleria
Os sindicatos dizem que estão prontos para continuar a lutar Adriano Miranda
A trabalhadora deverá ir à Assembleia da República, falar com os partidos
Fotogaleria
A trabalhadora deverá ir à Assembleia da República, falar com os partidos Adriano Miranda
Alírio Martins encabeçou a marcha, ao lado de Cristina
Fotogaleria
Alírio Martins encabeçou a marcha, ao lado de Cristina Adriano Miranda
Já estão marcadas novas acções de protesto
Fotogaleria
Já estão marcadas novas acções de protesto Adriano Miranda
Cerca de 130 pessoas participaram na manifestação de apoio deste sábado
Fotogaleria
Cerca de 130 pessoas participaram na manifestação de apoio deste sábado Adriano Miranda

O pedido está feito e agora é só aguardar. Cristina Tavares, a trabalhadora despedida este mês pela Fernando Couto Cortiças SA, que fora obrigada a reintegrá-la por ordem judicial, em Abril, deverá encontrar-se em breve com representes dos grupos parlamentares na Assembleia da República. Os pedidos para que a trabalhadora de 48 anos seja recebida deverão começar a seguir já este domingo e são apenas mais um dos passos no braço-de-ferro sem fim à vista entre a mulher que quer reaver o posto de trabalho, contando para isso com o apoio dos sindicatos, e a empresa corticeira. Este sábado, cerca de 130 pessoas participaram numa marcha de apoio.

Estava anunciado como um cordão humano, mas que acabou por ser simbólico. Em fila indiana, esticando-se através das ruas em torno do edifício da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, os participantes gritaram frases de protesto em que “O trabalho é um direito, sem ele nada feito”, foi das mais repetidas.

É que é só isso que Cristina diz querer. A mulher insiste que está pronta para regressar ao trabalho. Mesmo depois de, após a reintegração, a terem obrigado a carregar a mesma palete durante meses a fio – razão pela qual a empresa foi condenada pela Autoridade para as Condições do Trabalho a pagar uma multa de 31 mil euros. Mesmo depois de lhe ser instaurado um processo disciplinar que serviu de justificação para o despedimento concretizado este mês e que a mulher vai contestar, de novo, nos tribunais. “Eu só quero o meu posto de trabalho. Vou trabalhar, entro, faço as minhas tarefas e venho-me embora”, diz Cristina, como quem justifica o porquê de não se importar com eventuais hostilidades que possa encontrar na empresa, caso lhe seja permitido o regresso.

Durante a acção de apoio deste sábado mais do que uma pessoa a tratou como “heroína”, mas ela não parece prestar muita atenção. Diz que tem um filho cujo sustento depende do ordenado que ela levar para casa e que para lidar com as despesas que, mensalmente, lhe caem na vida, também só depende disso. “Para que me servia uma indemnização? E depois?”, diz como quem sabe que esse dinheiro não duraria muito.

Alírio Martins, do Sindicato dos Operários Corticeiros do Norte (SOCN), encabeçou a marcha, com Cristina ao lado, e o secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, logo atrás. Os dois sindicalistas garantiram que a luta é para continuar. “Não sabemos quando vai acabar, mas estamos convictos que vai acabar bem”, disse Arménio Carlos no final da manifestação de apoio, garantindo: “Estamos convictos de que é uma luta para travar e para ganhar.”

Já Alírio Martins garantiu que Cristina pode contar com o apoio do SOCN “para tudo, absolutamente tudo”. Para já, os aspectos mais visíveis desse apoio são a preparação da contestação judicial do despedimento, que está em curso, e a organização de novos protestos, o próximo dos quais será a 9 de Fevereiro, em Lourosa, e foi apresentado como uma “tribuna pública”.

Este sábado, Cristina voltou para casa com palavras de apoio, palmas e um ramo de flores. A trabalhadora completou 48 anos na sexta-feira e teve direito a que lhe cantassem os parabéns, com uma pequena adaptação. Em vez de “para a menina Cristina, uma salva de palmas”, cantou-se “para a trabalhadora Cristina”. E bateram-se palmas.