Distritais do PSD avaliam iniciativa para destituir Rui Rio

Encontro secreto visou preparar uma reunião extraordinária do Conselho Nacional.

Foto
O presidente do Partido Social Democrata (PSD), Rui Rio, durante a reunião do Conselho Nacional do PSD, em Leiria, a 30 de Maio de 2018 LUSA/Paulo Cunha

Vários dirigentes de distritais do PSD estiveram reunidos, na passada sexta-feira, para avaliarem a possibilidade de convocar um Conselho Nacional extraordinário com um único ponto: destituir a direcção de Rui Rio.

O PÚBLICO confirmou junto de várias fontes a realização da reunião secreta mas os seus resultados ainda são pouco claros. Há quem tenha poucas esperanças de que o movimento de recolha de assinaturas consiga avançar por falta de colaboração de líderes de distritais como Salvador Malheiro, também vice-presidente de Rui Rio, Alberto Machado, do Porto, que é apoiante do líder do partido, ou José Manuel Fernandes, que está à frente do PSD-Braga. Aveiro, Porto e Braga estão entre as maiores distritais do PSD e isso pode levar a que qualquer iniciativa do género fracasse.

Apesar das incógnitas, já começaram os contactos junto de conselheiros nacionais para avaliar se há apoios para reunir as assinaturas necessárias, apurou o PÚBLICO. É preciso um quinto dos membros (33 nomes) do Conselho Nacional para convocar uma reunião extraordinária.

Há dirigentes do PSD muito preocupados não só com as sondagens mas também com a imagem do partido junto do eleitorado. Entre os sociais-democratas descontentes começa a vingar a ideia de que o PSD está num ponto de não retorno e de que Rui Rio já não consegue virar a situação política a favor do partido até às legislativas de Outubro deste ano.

No PSD ganha força o cenário de que não é possível ter um resultado honroso face ao PS de António Costa e que a direcção de Rui Rio não está a trabalhar nesse sentido. A falta de oposição ao Governo é a principal preocupação. Os críticos temem que a situação venha a resultar num grupo parlamentar de pequena dimensão e num partido pouco relevante no panorama político.

Esta movimentação acontece pouco mais de três meses depois de Salvador Malheiro ter convidado as distritais a assinarem um documento de compromisso com a estratégia de Rui Rio. Esse comunicado apelava à “serenidade” e criticava “as agendas pessoais” de militantes. Só a distrital de Lisboa, liderada por Pedro Pinto, não assinou o texto. As restantes subscreveram-no, embora com muitas críticas em surdina.

O clima continua agitado no PSD. Ainda na passada semana o líder da distrital de Setúbal, Bruno Vitorino, pediu a demissão de Salvador Malheiro depois de este vice-presidente ter criticado no Twitter os deputados que “nas suas terras perdem repetidamente eleições”.

Caso seja aprovada uma reunião extraordinária do Conselho Nacional, o regulamento permite colocar à discussão e votação uma moção de censura para destituir a Comissão Política Nacional do partido. Se for aprovada, é convocado um congresso no prazo de 120 dias.

O Conselho Nacional, que é o órgão máximo entre congressos, é composto por 55 membros eleitos em congresso, dez representantes da JSD, cinco dos Trabalhadores Social-Democratas e cinco representantes dos Autarcas Sociais-Democratas, além dos líderes distritais e de dois membros das comissões políticas regionais.