Governo pressiona OCDE a tirar ou mudar capítulo sobre corrupção

Antigo ministro de Passos quer dar destaque à corrupção num relatório sobre a economia portuguesa. Governo diz que opção é forçada e estereotipada.

Foto
Enric Vives-Rubio. Fotomontagem: PÚBLICO

Pela mão de um ex-ministro do Governo de Passos Coelho, a corrupção poderá surgir pela primeira vez em foco num relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) sobre a economia portuguesa. Este destaque dado ao tema é, para o Governo, forçado e assente em preconceitos, avança este sábado o Expresso, que titula que o executivo português e a OCDE andam “às turras”.

A cada dois anos a OCDE publica um relatório sobre a economia portuguesa – o próximo está previsto para Fevereiro ou Março. Os preparativos não costumam gerar alvoroço, mas este ano, avança o Expresso, a situação é diferente por causa da corrupção, um tópico novo, escolhido pela equipa do ex-ministro da Economia Álvaro Santos Pereira. O Governo considera esta opção forçada, pouco sustentada e prejudicial para a imagem internacional do país.

O executivo defende que não há razão para que se dê especial atenção à corrupção no caso específico português e opõe-se à divulgação de análises que considera não terem base factual. Por isso, diz o Expresso, tem feito “pressão” junto da OCDE para que o tópico deixe de figurar no próximo relatório sobre a economia portuguesa – ou, pelo menos, que não surja nos moldes que se prevêem.

“Nos bastidores a tensão tem sido grande grande”, garante o semanário. O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, não faz comentários sobre o conteúdo do documento por ainda não ser oficial. Mas admite ao Expresso: “se o relatório fosse transformado numa simples listagem de ideias feitas, percepções, estereótipos, seria muito errado e Portugal teria de protestar”.

O retrato da corrupção feito pela equipa de Santos Pereira baseia-se em números do Banco de Portugal, que não são favoráveis ao país, e incluem opiniões recolhidas junto de actores da Justiça, deputados e investigadores.

O Expresso lembra ainda comentários do agora director do departamento de estudos de países da OCDE. No Twitter, em Maio, Álvaro Santos Pereira pôs entre os factores que levaram o país à “bancarrota” a “corrupção e o compadrio entre a política e os privados”, pedindo um “combate sério” ao fenómeno. O ex-ministro revoltou-se contra a falta de responsabilização judicial no caso do Banco Espírito Santo. “Quem foi preso?”, escreveu, em Julho.