Tempestade tropical na Tailândia obriga dezenas de milhares a procurar abrigo

Duas pessoas morreram e um pescador está desaparecido. Autoridades já evacuaram algumas localidades. “Não podem ficar aqui”, avisam.

Foto
Os habitantes de uma vila do distrito de Pak Phanang foram retirados das suas casas EPA

Uma tempestade tropical “rara” por ter atingido o Sul da Tailândia “fora da época das monções nesta parte do mundo” já matou pelo menos duas pessoas, derrubou árvores, arrancou telhados e provocou ondas de três a cinco metros. Até sábado de manhã espera-se ainda que cause fortes chuvas em algumas das ilhas mais procuradas por turistas.

Segundo os responsáveis pelas operações de resgate, morreu uma pessoa que integrava a tripulação de um barco de pesca junto à costa da província de Pattani (Sul) morreu. Há outro pescador desaparecido e quatro foram resgatados. Um russo afogou-se ao largo de Koh Samui, a segunda maior ilha do país, no Golfo da Tailândia.

Há avisos de chuvas torrenciais e ventos fortes em 15 províncias do Sul do país, incluindo várias ilhas habitualmente repletas de turistas nesta altura do ano. A jornalista Florence Looi, da Al-Jazira, está em Koh Samui e descreve “ondas muito mais potentes do que o normal, com uns três metros e a entrar muito mais pela terra adentro”.

As autoridades de Nakhon Si Thammarat, 600 km a sul de Banguecoque, percorreram esta sexta-feira de manhã ruas inundadas em camiões com altifalantes: “Quem ainda estiver em casa por favor faça barulho e os responsáveis vão ajudá-los a sair. Não podem ficar aqui, Não podem ficar aqui. É demasiado perigoso”, avisam.

Camiões também foram usados para ajudar os pescadores a retirar os seus barcos da praia e evitar que sejam levados pelas ondas.

"Não vai sobrar nada"

O alerta chegou igualmente pela televisão. “Não podem ficar nesta zona”, disse Dahloh Bin Samah, um governante local numa entrevista em frente ao mar. “Isto vai ser tudo arrasado. Os restaurantes da praia sofrem danos em todas as monções. Mas desta vez temos uma tempestade tropical. Não vai sobrar nada. Nada.”

“Entre 30 e 50 mil pessoas partiram depois das festas de 31 de Dezembro”, diz à AFP Krikkkrai Songthanee, chefe do distrito de Koh Phangan (ilha conhecida pela Festa da Lua Cheia, que se realiza todos os meses). Em Koh Tao, um dos melhores destinos de mergulho do Sudeste Asiático, os barcos com destino ao continente estão cheios de turistas que querem regressar a casa, mas vários milhares decidiram permanecer na ilha.

PÚBLICO -
Foto
Turistas no aeroporto da ilha de Samui à espera de novos voos, depois dos cancelamentos desta sexta-feira SITTHIPONG CHAREONJAI/EPA

Pelo menos 6176 pessoas já foram levadas para abrigos depois de serem retiradas das suas casas nas províncias de Pattani, Nakhon Si Thammarat, Songkhla e Yala.

Há vários aeroportos encerrados e muitas companhias estão a cancelar os voos de sexta-feira e sábado – a Bangkok Airways, que detém quase o monopólio das ligações para Koh Tao, anulou todos os voos esta sexta. Os serviços de ferry no Golfo da Tailândia e os voos a partir de Nakhon Si Thammarat e Koh Samui foram todos cancelados. Duas empresas que exploram as maiores reservas de gás no Golfo interromperam as suas operações.

A tempestade Pabuk, nome de um peixe-gato gigante do Laos, é a primeira tempestade tropical a atingir a Tailândia em décadas: em 1989, o tufão Gay fez mais de 400 mortos, e 900 pessoas morreram no Sul do país à passagem de uma tempestade tropical em 1962. Entretanto, todos os anos há vítimas nas inundações e deslizamentos de terra habituais na época das monções, durante os meses de Verão. Desta vez, as autoridades garantem estar bem preparadas para os efeitos da Pabuk.