Opinião

2019… O futuro começa hoje!

2019 tem de ser o ano em que romper consensos e apresentar projetos alternativos, se torne um imperativo nacional, mas sempre com o propósito de conquistar a governabilidade.

O futuro é uma das palavras mais comuns na mensagem política que transporta uma imensa carga positiva. É em nome dele que as batalhas políticas se travam, é com os olhos postos nele que são utilizadas as palavras mais belas do vocabulário político. Palavras como horizonte, progresso, conquista, geração, confiança, ideal e esperança.

2019 tem de ser o regresso ao caminho para um futuro melhor e por isso é fundamental que os políticos abdiquem, de referir no seu discurso a ideia de um futuro sem esperança, por mais que a ação do governo os possa para aí remeter.

2018 trouxe uma governação da “geringonça” com show off permanente, que visava agradar a todos. No entanto não conseguiu satisfazer os interesses das muitas corporações que foram sendo inundadas de promessas mil, nem dos portugueses em geral.

O roubo de Tancos; os incêndios em Monchique; falhas graves na saúde; Borba; queda do helicóptero do INEM; falhas graves na segurança; greves na saúde, educação, justiça, transportes, polícias, Finanças, bombeiros voluntários; a carga fiscal mais alta de sempre e a dívida pública em máximos históricos, são muitos dos sinais de um caminho errado e sem futuro.

Temos um país em “cruise control” à espera das eleições, sem criar alarido, o que revela um futuro com pouca esperança para uma democracia que precisa de alternativas credíveis. Neste campo, 2018 revelou alguma timidez, mas 2019 promete que o receio do suposto conflito, que advém da defesa de posições e projetos diferentes, seja definitivamente posto de lado.

Negar a natureza conflitual da política é negar a sua essência. Esta negação transforma a unanimidade numa hipotética virtude e num dogma real. 2019 tem de ser o ano em que romper consensos e apresentar projetos alternativos se torne um imperativo nacional, mas sempre com o propósito de conquistar a governabilidade porque primeiro está Portugal.

Este imperativo define-se assumindo a diferença entre a maneira como se faz política e aquela como se deveria fazer. Quem não fizer o que é “costume” para, em contraponto, fazer o que “tem de ser feito”, ajudará seguramente Portugal a derrubar as barreiras do imobilismo, da estagnação e da resignação. Mas é preciso coragem e essa está ao alcance de poucos.

As rupturas e os conflitos corajosos têm sempre riscos associados. Porém os portugueses esperam que alguns políticos possam recorrer ao sábio legado milenar do general chinês Sun Tzu, que defendia no seu clássico, A Arte da Guerra, que, “a vitória está reservada para aqueles que estão dispostos a pagar o preço.”

Em 2018 o governo de António Costa conseguiu, de forma hábil, um conjunto de condições que lhe asseguraram a governabilidade. A solidez interna à conta de promessas adiadas consecutivamente; o voto de confiança dos partidos à sua esquerda que fingem nada saber, mas em tudo participam; e o apoio do Presidente da República em nome da estabilidade que é sua responsabilidade. Sem este cenário a ação política da “geringonça” estaria condenada ao fracasso.

O ano de 2019 tem de ser o ano onde a alternativa procure motivar, estimular, e dar esperança aos portugueses. Numa estratégia assente na expressão imortalizada pelo nosso Rei D. João II (o Príncipe Perfeito), que referiu que, “há tempos de usar o olhar da coruja e tempos de voar como o falcão”. 2019 deve ser o ano de voar como falcão.

É crucial assumir de vez a eficácia da “Realpolitik”, que significa a adequação da política à realidade. Este novo ano é o do futuro e esperança, que valorizará o pragmatismo estratégico dos líderes políticos, mais preocupados com a eficácia da sua nobre ação – que coloca primeiro Portugal - do que com o cumprimento de directrizes partidárias ou de objetivos de médio e longo prazo que visam, exclusivamente, a sobrevivência política.

Em 2019 mobilizar energias, motivar vontades, fazer ruturas nuns momentos e revelar dotes conciliadores noutros, será a grande prova dos líderes políticos com futuro.

Para António Costa os indicadores têm sido positivos, mas isso não é necessariamente bom para o futuro de Portugal. António Costa move-se no terreno dos que visam, exclusivamente, a sua sobrevivência política e isso nem sempre é compatível com o interesse de Portugal.

Mas por mais indicadores positivos que se queiram injetar nunca é demais lembrar que as eleições não se ganham nem se perdem por antecipação, ao contrário do que alguns comentadores e jornalistas tendem a vaticinar, proclamando a inevitabilidade de uma vitória do Partido Socialista.

Não é aceitável que se trate o eleitorado com essa presunção e desdém, mesmo se admitirmos que a oposição se encontra numa posição difícil, o que é uma realidade subjetiva. Em 2015 o eleitorado deu uma lição de Democracia aos fazedores de opinião, no entanto alterou-se para sempre o panorama político e as regras parlamentares. Esperemos agora que 2019 possa retificar o erro histórico e recoloque Portugal no caminho do futuro.

Como ironizava o escritor norte-americano, Ambrose Bierce, “o futuro é o único reduto do tempo em que tudo corre bem”, e para Portugal o futuro começa hoje!

O autor escreve segundo o novo Acordo Ortográfico