Papa diz que é melhor viver como ateu do que ir à igreja e odiar os outros

O papa Francisco começou o ano fazendo uma ode à maternidade, mas no segundo dia referiu que é preferível nem ir à igreja do que ser-se hipócrita ao fazê-lo e disse ainda que há cristãos que falam com Deus “como um papagaio”.

Papa Francisco
Foto
Papa Francisco LUSA/FABIO FRUSTACI

O papa Francisco afirmou nesta quarta-feira que é preferível viver como ateu do que ir todos os dias à igreja e passar a vida a odiar e a criticar os outros.

"Quantas vezes vemos o escândalo dessas pessoas que passam o dia na igreja, ou que lá vão todos os dias, e depois vivem a odiar ou a falar mal dos outros", assinalou Francisco durante a audiência geral que tem todas as quartas-feiras com os fiéis.

O papa acrescentou que o melhor é nem ir à igreja: "Vive como um ateu. Se vais à igreja, então vive como filho, como irmão, dá um verdadeiro exemplo", instou.

Francisco aludia ao evangelho de São Mateus, em que se referem os hipócritas que rezam "para ser vistos pelas pessoas".

"Os pagãos acreditam que se reza a falar, a falar, a falar. Eu penso em muitos cristãos que acreditam que rezar é falar com Deus, salvo seja, como um papagaio. Não, rezar faz-se com o coração, a partir do interior", defendeu.

No primeiro dia do ano, o papa Francisco começou por fazer uma ode à maternidade, lembrando os fiéis que o exemplo e o abraço de uma mãe são o único antídoto para o mundo de hoje de solidão e miséria. Na sua homilia de 1 de Janeiro, Francisco exortou os católicos a deixarem-se levar novamente, como as crianças são levadas pelas suas mães, afirmando que "um mundo que olha para o futuro sem o olhar de uma mãe é míope".

Em Novembro, o papa Francisco tinha classificado a “coscuvilhice” como um acto terrorista, considerando que a “má-língua” é como uma faca que mata. “Os coscuvilheiros são pessoas que matam os outros, porque a língua mata, é como uma faca, tenham cuidado. As pessoas coscuvilheiras são terroristas, atiram a bomba aos outros e vão-se embora”, disse Francisco na Praça de S. Pedro, no Vaticano, enquanto reflectia sobre o oitavo mandamento católico: “Não levantarás falso testemunho contra o teu próximo”.