“Coletes amarelos”: PSP regista 25 protestos em 17 pontos do país

Os protestos em Portugal surgem depois do movimento de "coletes amarelos" em França. Por cá, a PSP já tinha suspendido as folgas de todos os seus agentes para sexta-feira, antecipando "manifestações de grande dimensão em todo o país". Há protestos marcados em 15 distritos e nos Açores e na Madeira.

Foto
Fernando Veludo/NFACTOS

A PSP revelou nesta quinta-feira quais os 17 pontos do país que estão identificados para a ocorrência de protestos dos "coletes amarelos", marcados para esta sexta-feira: Lisboa, Porto, Aveiro, Braga, Viseu, Viana do Castelo, Setúbal, Coimbra, Santarém, Castelo Branco, Bragança, Évora, Faro, Guarda e Leiria. Também foram formalmente comunicadas manifestações nas regiões autónomas dos Açores e da Madeira. Ao todo, são 25 os protestos de que a PSP tem registo oficial.

Depois de várias reuniões feitas nesta semana para preparar a resposta aos protestos, a PSP prevê que a maior manifestação deverá acontecer na Praça Marquês de Pombal, em Lisboa, onde estão previstas “centenas de pessoas”; é de lá que deverá partir um desfile em direcção à Assembleia da República durante a manhã.

PÚBLICO -
Aumentar

Além do Marquês de Pombal, há outras três manifestações marcadas para Lisboa (Ponte 25 de Abril, Palácio de Belém e A8) e duas no Porto (VCI/Nó de Francos e Avenida da Associação Empresarial de Portugal). 

O intendente da PSP Alexandre Coimbra diz ao PÚBLICO que estas são as manifestações comunicadas oficialmente, mas admite que possam existir mais: nas redes sociais estão a ser divulgados outros locais de protesto, mas o intendente da PSP refere que parecem ser eventos de menor dimensão.

Direito à manifestação vs direito à livre circulação

Em comunicado enviado ao PÚBLICO, a PSP refere que “desenvolverá todas as acções necessárias para garantir a segurança, ordem e tranquilidade públicas”, primando por ter um “equilíbrio entre o exercício do direito de manifestação e o direito à livre circulação, em especial à circulação rodoviária”.

A PSP deixa ainda alguns conselhos aos cidadãos: pede-lhes que utilizem transportes públicos, que verifiquem se o itinerário não está condicionado, que evitem passar pelos locais referenciados, que conduzam com prudência e que não hesitem em contactar a polícia se for necessário.

A polícia pede também aos organizadores das manifestações que se mantenham em contacto permanente com a polícia, “de forma a garantir a realização dos protestos em segurança”, e pede aos manifestantes que não bloqueiem as vias rodoviárias para não perturbar “o direito de circulação de todos os cidadãos”.

Na sexta-feira, a PSP suspendeu as folgas de todos os seus agentes para este dia antecipando "manifestações de grande dimensão em todo o país"

PÚBLICO -
Foto
Uma das manifestações dos "coletes amarelos" em Marselha, França JEAN-PAUL PELISSIER/REUTERS

Os protestos são inspirados no movimento de revolta francês que surgiu nas redes sociais: começou por ser uma manifestação contra o aumento do imposto sobre os combustíveis, mas acabou por tornar-se num grito contra a governação do Presidente francês Emmanuel Macron. Em resposta às manifestações que se espalharam por França (e sobretudo por Paris, nos Campos Elísios), Macron decretou um “estado de emergência económico e social” e anunciou o aumento de 100 euros no salário mínimo dos trabalhadores franceses.