O que querem os "coletes amarelos"?

Baixa de impostos, acolhimento de imigrantes, acabar com os sem-abrigo, apoiar o pequeno comércio e a indústria francesa, impedindo as deslocalizações. As reivindicações do movimento de protesto são um espelho dos problemas franceses.

Foto
Protestos junto ao Arco do Triunfo, em Paris, no sábado Stephane Mahe/REUTERS

O movimento de protesto que começou nas redes sociais contra o aumento do imposto sobre os combustíveis mas se tornou um grito contra a evolução negativa do poder de compra dos franceses e a governação de Emmanuel Macron não tem líderes claros nem um caderno de encargos simples e resumido. Para os encontros com ministros do Governo na semana que passou, conseguiram elaborar um documento com 42 reivindicações, entregues terça-feira ao ministro da Transição Ecológica, François de Rugy.

Aqui fica uma selecção de algumas (não todas) dessas exigências.

  • Acabar com os sem-abrigo urgentemente
  • Pagamento mais fatiado do Imposto sobre o rendimento
  • Favorecer o pequeno comércio nas vilas e centro das cidades (cessar a construção de grandes áreas comerciais em torno das principais cidades, que prejudicam os pequenos negócios
  • Mais estacionamento gratuito no centro das cidades
  • Que os grandes (MacDonald’s, Google, Amazon, Carrefour...) paguem muito e os pequenos (artesãos, pequenas e médias empresas) paguem pouco
  • Sistema de segurança social igual para todos (incluindo artesãos e empresários). 
  • Fim do aumento do imposto sobre o combustível
  • Nenhuma pensão abaixo dos 1200 euros
  • Os salários de todos os franceses, bem como as pensões e subsídios, indexados à inflação.
  • Proteger a indústria francesa, proibindo as deslocalizações
  • Fim do trabalho desvinculado
  • Limitar mais o número de contratos a termo nas grandes empresas
  • Fim da política de austeridade, interrompendo o pagamento da dívida considerada ilegítima sem fazer cobranças aos mais pobres e arrecadar 80 mil milhões de euros perdidos devido à evasão fiscal.
  • Resolução das causas que geram migrações forçadas
  • Que os requerentes de asilo sejam bem tratados. Colaboração com a ONU para criar centros de acolhimento em todo o mundo para instalar imigrantes e refugiados enquanto o processo de pedido de asilo decorre
  • Implementação de uma política de integração real. Curso de francês, de história de França de educação cívica, com certificação
  • Aumento do salário mínimo para os 1300 euros
  • Criação de empregos
  • Rendas mais baratas, sobretudo para estudantes e trabalhadores precários
  • Mais meios para o sistema judicial, polícia e exército
  • Todo o dinheiro gasto nas portagens deve ser investido na manutenção e desenvolvimento das estradas
  • Como preço do gás e da electricidade aumentou desde que o sector foi privatizado, pede-se a nacionalização e a redução dos preços
  • Mais meios para a psiquiatria
  • Incluir o referendo na Constituição e consulta mais frequente do povo a nível nacional e regional
  • Voltar ao mandato presidencial de sete anos
  • Idade da reforma a partir dos 60 anos e para todos os trabalhadores com trabalho físico a partir dos 55
  • Fim do imposto retido na fonte
  • Fim dos subsídios vitalícios dos Presidentes