PSD de Rio ficou só contra a ministra, a procuradora, Marques Mendes e o PS

Direcção do partido acusa Marques Mendes de falta de ética, por ter dito que Rio é igual a Sócrates no desejo de controlar a justiça. Procuradora Lucília Gago ameaça demitir-se, se mudar a composição do Conselho Superior do Ministério Público.

Rui Rio defende conselhos superiores da justiça devem ser compostos por uma maioria de membros independentes
Foto
Rui Rio defende conselhos superiores da justiça devem ser compostos por uma maioria de membros independentes LUSA/FERNANDO VELUDO

No dia em que a procuradora-geral da República sugeriu que se demitirá se os magistrados perderem a maioria no Conselho Superior do Ministério Público, e em que a ministra da Justiça, que introduziu a questão na agenda, deu o assunto por encerrado, o PSD de Rui Rio deixou bem claro que não se importa de ficar sozinho na defesa da ideia de que se deve evitar o autogoverno das magistraturas.

E à boleia da polémica da composição do CSMP assumiu uma ruptura violenta com o ex-líder do partido e comentador Luís Marques Mendes, que no seu espaço de opinião dominical na SIC-Notícias, afirmou que Rio é igual a Sócrates no desejo de controlar a justiça.

Em declarações ao PÚBLICO, Rui Rio fez nesta segunda-feira questão de vincar que a questão da composição do CSMP nem foi suscitada agora por si. “O tema está na agenda política, porque a senhora ministra apresentou na Assembleia da República uma proposta de lei para alterar o Estatuto do Ministério Público”, disse o líder do PSD, assumindo, contudo, que “sempre” defendeu alterações nesta matéria.

“Ando há mais de uma década a falar que os conselhos superiores da justiça devem ser compostos por uma maioria de membros independentes, oriundos da sociedade civil; em nome da transparência democrática e de uma fiscalização’ descorporativizada’. Tentar que se confunda isto com tutela política é um discurso populista, que visa aproveitar-se do desconhecimento das pessoas”, defendeu o social-democrata.

Num texto que assina nesta terça-feira no PÚBLICO, a porta-voz do Conselho Estratégico Nacional do PSD para a área da Justiça, a advogada Mónica Quintela, também se insurge contra quem, como o presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público, António Ventinhas, vê na intenção de acabar com a maioria de magistrados escolhidos pelos pares no CSMP uma tentativa de os controlar.

As declarações de Rio e o artigo de Mónica Quintela foram produzidos antes ainda de, a meio da tarde desta segunda-feira, na sessão de tomada de posse da nova procuradora-geral distrital de Coimbra, a procuradora-geral da República, Lucília Gago, ter abordado a questão. E com estrondo, com uma ameaça de demissão pouco subtil.

“Qualquer alteração relativa à composição do Conselho Superior do Ministério Público que afecte o seu actual desenho legal, designadamente apontando para uma maioria de membros não-magistrados, tem associada grave violação do princípio da autonomia”, afirmou Lucília Gago no discurso que levou a Coimbra. E acrescentou que qualquer mudança nesse sentido representaria uma “radical alteração dos pressupostos que determinaram” a aceitação que fez do cargo de procuradora-geral da República.

A composição do CSMP entrou para agenda política há cerca de duas semanas. Numa altura em que o Parlamento discutia uma proposta de alteração ao Estatuto do Ministério Público, apresentada, em nome do Governo, pela ministra da Justiça, Francisca Van Dunen, o deputado do PS, Jorge Lacão, defendeu a necessidade de alterar “os critérios de representação no Conselho Superior do Ministério Público”. E criticou a ministra por a proposta de estatuto apresentada manter o equilíbrio de forças vigentes no CSMP: 12 procuradores e sete não magistrados.

Jorge Lacão foi, no entanto, desautorizado pelo PS. O deputado Filipe Neto Brandão, vice-presidente da bancada socialista, esclareceu a posição do seu partido. “Os órgãos de gestão das magistraturas não devem ter uma maioria de não-magistrados. Como tal, o grupo parlamentar do PS nunca propôs (nem proporá ou secundará) qualquer proposta que vise colocar os magistrados em minoria no CSMP”, reafirmou o deputado ao PÚBLICO, acrescentando que “o princípio da autonomia do MP é um princípio estruturante do Estado de Direito Democrático”.

E nesta segunda-feira também a ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, garantiu que eventuais alterações à composição do CSMP passaram a ser “uma não questão” e que “está tudo esclarecido”. À tarde, na cerimónia de entrega dos prémios do concurso “77 Palavras Contra a Discriminação Racial”, em Lisboa, a ministra reiterou que “não é intenção do Governo, nem faz parte do programa do executivo, fazer qualquer alteração” ao CSMP.

“A partir do momento em que o Grupo Parlamentar do Partido Socialista esclareceu o sentido da intervenção do deputado Jorge Lacão naquela interpelação parlamentar, que basicamente foi um elencar de questões e não propriamente uma lógica de avançar nesse sentido, nós temos aqui uma não questão”, comentou a governante”.

Recorde-se que também Joana Marques Vidal, a antecessora de Lucília Gago na Procuradoria-Geral da República, declarara na sexta-feira que alterar a composição do CSMP, o órgão de tutela dos procuradores, tornando maioritários os membros indicados pelo poder político, poderá pôr em causa a independência dos tribunais.

As declarações iniciais de Jorge Lacão e o apoio que mereceram por parte do PSD suscitaram fortes críticas por parte do presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público (SMMP), António Ventinhas, que ameaçou já com a marcação de uma greve em Fevereiro, ainda em moldes a discutir.

À noite, na SIC-Notícias, o vice-presidente do PSD, David Justino, criticou duramente Marques Mendes e a posição assumida por Lucília Gago, acusando-a de ter feito uma “pressão quase inqualificável sobre um órgão de soberania eleito pelos portugueses, que é a Assembleia da República”. E recordou que existe uma maioria de não-magistrados no Conselho Superior de Magistratura e noutros órgãos congéneres do CSMP na Europa.

David Justino admitiu que a posição que o PS acabou por assumir obriga os sociais-democratas a reavaliar, com “realismo”, se há condições para avançar com propostas sobre o CSMP, que já se sabe que não prevalecerão. Mas sublinhou que não será por sozinho que o PSD alterará as convicções.

A polémica com Marques Mendes

No seu habitual comentário na SIC-Noticias, ao domingo à noite, Marques Mendes abordou o tema, visando o líder do seu partido ao afirmar que “as propostas do PSD - inicialmente com o apoio discreto do PS – que visam mudar a composição do CSMP têm na prática um objectivo: controlar a acção do Ministério Público”.

Mas Marques Mendes disse mais. Comparou mesmo Rui Rio a José Sócrates na vontade de controlar a justiça e a comunicação social. “Em Portugal há dois políticos iguais na vontade de controlar a justiça e a comunicação social: José Sócrates e Rui Rio. Nessa matéria, eles são verdadeiros irmãos siameses (…) Um e outro gostavam de poder dizer o que se investiga, como se investiga e quando se investiga”.

Sobre estas acusações, Rio não quis falar, mas não deixou de se referir a elas na sua conta oficial da rede social Twitter, onde rejeitou querer controlar o MP por defender “uma maioria de personalidades da sociedade civil” no seu conselho superior. “Andam por aí a agitar que quer controlar o Ministério Público, porque defendo que haja uma maioria de personalidades da sociedade civil nos eu conselho superior. Como no Conselho [Superior] da Magistratura já é assim, para essas mentes, se calhar, eu já controlo hoje a Magistratura Judicial”, acrescentou.

O vice-presidente do PSD, Salvador Malheiro, não perdeu tempo a reagir às declarações do comentador da estação de televisão. “Ao comparar Rui Rio a Sócrates, Luís Marques Mendes foi longe de mais! Que vergonha! O Luís Marques Mendes perdeu toda a credibilidade juntos dos portugueses," escreveu Salvador Malheiro, da direcção nacional do PSD.