Como Bush ajudou Portugal para a paz em Angola

Políticos e diplomatas portugueses recordam ao PÚBLICO a influência do falecido Presidente norte-americano na mudança da África Austral e na intervenção cirúrgica contra o Iraque.

Foto

A administração norte-americana liderada por George Bush foi fundamental para o desenvolvimento do processo de paz em Angola. “Nessa altura, trabalhei muito com os americanos”, recorda, ao PÚBLICO, José Manuel Durão Barroso.

“A administração do Bush-pai foi muito importante porque os norte-americanos estavam muito colados à UNITA mas, com o desenvolvimento do processo de paz a situação começou a mudar”, diz Durão Barroso, então secretário de Estado dos Assuntos Externos e Cooperação. “Fui mediador do processo de paz em Angola, estive com Nelson Mandela pouco depois da sua libertação e com José Eduardo dos Santos na noite de 20 de Março de 1990, o que viria a possibilitar a negociação”, prossegue.

“Nesse encontro, Eduardo dos Santos, que sempre se recusara a reunir com a UNITA de Jonas Savimbi, abriu a porta para uma primeira reunião”, relata. “Um encontro que viria a decorrer, de forma secreta, no Conventinho de Évora, e que só muito posteriormente foi divulgada”, destaca.

“Depois, Portugal convidou os Estados Unidos e a URSS para observadores, que indicaram os seus diplomatas Hank Cohen e Smirnov”, precisa Barroso. O soviético lia todas as manhãs o Financial Times para, como dizia com ironia perante os acontecimentos da Perestroika, saber se o seu país ainda existia. Então, Cohen, um judeu de Nova Iorque, foi mudando de opinião sobre a situação angolana.

Durão Barroso e os diplomatas tiveram um encontro com Savimbi em Huambo, depois da conquista da cidade pelas tropas da UNITA, quando as relações entre Washington e os opositores do MPLA já se tinham degradado. No regresso a Luanda, Cohen manifesta em voz alta dúvidas sobre Jonas Savimbi. O que, segundo algumas versões, se deveu a uma troca de cartas entre o líder da UNITA e o Presidente dos EUA, que desagradou muito a George Bush.

“Há uma mudança de opinião dos Estados Unidos”, resume Barroso. Uma alteração de posição encadeada numa sequência de factos inovadores da intervenção norte-americana na África Austral. “A libertação de Nelson Mandela e o fim do apartheid na África do Sul, a independência da Namíbia e a saída dos cubanos de Angola foram três condições fundamentais para as negociações de paz em Angola”, descreve, ao PÚBLICO, António Martins da Cruz, então assessor diplomático do primeiro-ministro Aníbal Cavaco Silva.

“A pressão para contrariar o apartheid e libertar Nelson Mandela já vinha do tempo do Presidente Ronald Reagan, no entanto, o grande mérito foi de Mandela e de De Klerk [Frederik Willem De Klerk], então Presidente da África do Sul”, contrapõe o embaixador Fernando Neves. “A saída das tropas cubanas de Angola e a independência da Namíbia permitiram o desenvolvimento do processo diplomático”, insiste Durão Barroso.

Então, entra em liça o diplomata Chester Crocker, assistente do secretário de Estado para os Assuntos Africanos do Presidente Reagan quando George Bush era vice-presidente. É nessa condição que o Bush-pai vem a Lisboa, em 1986, representando os Estados Unidos na tomada de posse de Mário Soares como Presidente da República com Cavaco Silva em São Bento.

“Cavaco e Bush criaram uma boa amizade em 1986 na posse de Soares, houve um jantar entre eles a que assistiram Pires Miranda, então ministro dos Negócios Estrangeiros, e os respectivos assessores diplomáticos, um dos primeiros jantares que organizei em São Bento”, recorda Martins da Cruz. É com Bush na vice-presidência e Frank Carlucci, o antigo embaixador em Lisboa no Verão Quente de 1975, como secretário de Estado da Defesa de Reagan que Portugal recebe 12 F-16.

Cavaco passa um fim-de-semana na casa de campo do vice Bush, um rancho em Kennbunkport, no Estado de Maine (ver outro texto). “Conservo experiências únicas dessa visita, como uma ida no domingo de manhã à Igreja dos protestantes, na qual Bush apresentou o primeiro-ministro português aos fiéis”, prossegue António Martins da Cruz. “Em 2001, já com Bush como Presidente, estivemos [Cavaco e o seu assessor] na Casa Branca e falámos sobre Portugal, África e as conversações de paz em Angola”, relata.

“Bush pai foi um grande Presidente que soube manter o mundo estável perante a queda da URSS em vez de tentar tirar proveito da fraqueza dos soviéticos”, analisa Fernando Neves. “Apesar dos EUA terem passado a ser a única superpotência, depois da implosão da URSS, Bush não quis uma ordem unilateral”, concorda Álvaro de Vasconcelos, ex-director do Instituto de Segurança da União Europeia. “O que é mais relevante da sua acção foi um sentido muito apurado da diplomacia como a arte da negociação e compromisso”, destaca.

Foi assim que a libertação do Kuwait foi feita ao abrigo de uma decisão da ONU, com uma vasta coligação internacional e árabe. “Então, estava no Parlamento Europeu e o grande problema era saber se ele iria ocupar o Iraque, como viria a fazer o filho, ele garantiu que não e cumpriu”, recorda, ao PÚBLICO, Jorge Cravinho. “Não me lembro de nenhum debate em Portugal, foi uma guerra consensual ao contrário da segunda [invasão do Iraque por George W.Bush]”, sintetiza Barroso.

Uma acção cirúrgica, com desenvolvimentos na questão palestina, da mesma forma que a relação dos Estados Unidos com a Europa e a reunificação alemã se inscreveu numa época de grande progresso do multilateralismo (ver análise de Teresa de Sousa).