Lei marcial na Ucrânia pode suspender eleições e adiar derrota de Poroshenko

O Presidente ucraniano propôs a imposição da lei marcial, que terá de ser aprovada pelo Parlamento.

Poroshenko quando tomou posse, em Junho de 2014
Foto
Poroshenko quando tomou posse, em Junho de 2014 Anastasia Sirotkina/Reuters

Os deputados ucranianos vão votar esta segunda-feira à tarde a imposição da lei marcial. O Governo justifica a medida com a escalada russa, que capturou três navios ucranianos durante o fim-de-semana, defendendo que a Ucrânia deve estar "pronta" para "novas agressões em terra ou no mar". Mas com o Presidente Petro Poroshenko a preparar-se para perder as eleições, que se avizinham como as mais disputadas de sempre no país, dificilmente se livrará de acusações de estar a tentar aproveitar-se deste incidente.

Na prática, esta medida dará poderes ao Governo para limitar as manifestações públicas, interferir com o que é divulgado pelos media, obrigar os cidadãos a realizar “tarefas socialmente necessárias”, como trabalharem em instalações de defesa. Mas a lei marcial, que nunca foi declarada na Ucrânia depois na anexação da Crimeia pela Rússia, em 2014, nem durante a guerra que ainda se prolonga no Leste do país com forças apoiadas pelos russos, também pode justificar o adiamento das eleições – a 31 de Março, os ucranianos serão chamados a eleger o seu Presidente e estão ainda previstas para 2019 eleições parlamentares.

“Esta história toda complica-se ainda mais pelo facto de, durante a lei marcial, serem proibidas tanto as greves e os protestos como a realização de eleições presidenciais, parlamentares ou locais”, escreveu no Facebook o deputado ucraniano Mustafa Nayyem. O parlamentar eleito pelo Bloco Solidariedade, de Poroshenko, juntou-se há dois anos a outro partido, a Aliança Democrática.

Segundo uma sondagem do Instituto Sociopolis divulgada no fim da semana passada, 81% dos ucranianos avalia negativamente a presidência de Poroshenko.

O que as sondagens dos últimos meses também demonstram é que as presidenciais marcadas para daqui a quatro meses serão as mais disputadas de sempre no país, não sendo sequer possível antecipar quais são os dois candidatos que passarão à segunda volta. A mais bem colocada para passar, líder em todos os inquéritos, é a ex-primeira-ministra Iulia Timoshenko.

Acusada pelos críticos de ser pró-russa, Timoshenko, que esteve presa dois anos e meio e foi libertada no início de 2014, no auge da revolta que levou ao afastamento do Presidente, Viktor Ianukovich, garante que quer uma “Ucrânia membro da União Europeia e membro de pleno direito da NATO”.