Marta Pinto
Foto
Marta Pinto Adriano Miranda

Para Marta, as árvores nativas são “tecnologia biológica” para conservar o planeta

Formada em Biologia, Marta Pinto desenvolveu um projecto responsável pela plantação de 100 mil árvores na Área Metropolitana do Porto. Os resultados já são conhecidos e estão reunidos em livro.

Reflorestar, conservar e envolver são palavras de ordem no dicionário de Marta Pinto. Licenciada em Biologia, mestre em Ciências do Mar e defensora da conservação do meio ambiente, através da plantação de árvores nativas, é coordenadora do Grupo de Estudos Ambientais na Universidade Católica Portuguesa (UCP), no Porto. Foi das suas mãos que nasceu, há oito anos, o FUTURO: projecto das 100 mil árvores, cujos resultados foram reunidos num livro, apresentado esta quarta-feira, 7 de Novembro.

Antes de chegar ao FUTURO, Marta passou por várias fases profissionais que sempre criaram pontes entre a biologia e as ciências sociais e que também estavam ligadas àquilo que faz hoje: desenvolvimento de projectos de articulação entre a academia e a comunidade, principalmente na área do ambiente e da sustentabilidade. Com 45 anos, nascida e criada no Porto, foi nesta cidade que estudou e onde, agora, trabalha.

PÚBLICO -
Foto
Adriano Miranda

A casa de Marta, que chegou a trabalhar nos Estados Unidos, num departamento de Geografia Humana, é a UCP: já lá vão 15 anos desde que ali entrou pela primeira vez para trabalhar. De uma coordenação entre a instituição e as entidades externas — como é o caso dos municípios e proprietários florestais — nasceu o desafio (e a necessidade) de plantar 100 mil árvores na Área Metropolitana do Porto (AMP).

Em oito anos, a cidade está diferente e isso nota-se nos mais de 170 hectares de árvores nativas plantadas. Antes disso, a paisagem era a de um solo subaproveitado. “Eram áreas que tinham espécies invasoras, como o eucalipto, que tinham ardido e, por isso, estavam degradadas.” “Nós fomos recuperar estas áreas”, acrescentou. Optimista por natureza, como se descreve, acredita que a reflorestação e a plantação de árvores é um pequeno passo no caminho que conduz à manutenção de um planeta mais verde.

No entanto, e apesar do optimismo, diz não ser ingénua ao ponto de pensar que os desafios relativos à sustentabilidade – como é o caso de questões relacionadas com a biodiversidade e das alterações climáticas – que estão, neste momento, em cima da mesa, não constituem, por si só, uma “grande luta que todos temos pela frente”.

“Nós estamos, de facto, num momento-chave da nossa sobrevivência e não creio que o planeta vá ter problemas, o planeta é impecável e vai adaptar-se.” “Acho, isso sim, que o que estamos a fazer é colocar em causa a nossa sobrevivência e o nosso estilo de vida”, rematou. Com isto, Marta Pinto confere grande importância às acções locais, que vê como “determinantes para se conseguir dar um contributo de uma forma positiva”.

PÚBLICO -
Foto
David Vig/Unsplash

Os desafios a nível global são imensos, diz, e difíceis de resolver no imediato. No entanto, iniciativas como a das 100 mil árvores tornam-se decisivas a nível local, já que servem de inspiração a replicações e provocam impacto concreto a nível territorial. Além de, a longo prazo, contribuírem para reduzir em muito a quantidade de gases poluentes na atmosfera.

Apesar de tudo, essa mesma redução não pode, para já, ser traduzida em números nem reflecte os resultados que virá a reflectir daqui a 15 ou 20 anos, explica a especialista. “Estas árvores que plantámos têm a capacidade de armazenar 10 mil toneladas de carbono por ano e esse é um ponto muito importante mas, neste momento, ainda estão a crescer", reforçou. Marta lembra, porém, que essa meta só será atingida "daqui a 15 ou 20 anos".

Outro dos pontos relevantes e que compromete a qualidade do ar prende-se com a eliminação das partículas emitidas pelos motores de combustão, processo no qual as árvores desempenham um papel importante. Devido à pequena dimensão, estas partículas, muito nocivas para a saúde, são facilmente inaladas pelo ser humano. Com as árvores que já foram plantadas será possível eliminar 500 quilos de partículas minúsculas em suspensão no ar, por ano. “Há, de facto, desafios a esse nível na Área Metropolitana do Porto”, notou, uma vez que se trata de uma cidade muito poluída pelos automóveis e por ter uma diminuída proporção de áreas verdes.

Com o projecto, cujos resultados estão coligidos no livro Oito anos e 100 000 árvores nativas depois, Marta acredita ter conseguido envolver a população da AMP, sendo também esse um dos objectivos à partida. Esse mesmo envolvimento traduz-se em oito anos de acção, 106 mil árvores plantadas, 350 organizações parceiras, 17 municípios, 150 mil horas de voluntariado com 16 mil pessoas.

No remate da sessão de apresentação dos resultados, Marta Pinto definia as árvores como uma “tecnologia biológica imensíssima” — com múltiplas funções que a tecnologia nunca conseguirá atingir.