Nowo fica sem Sport TV e deixa dívida de quatro milhões por pagar

A empresa detida pela Olivedesportos e pelas operadoras Nos, Meo e Vodafone cortou o serviço à Nowo, que é parceira da Eleven Sports. Sport TV fala em dívidas por pagar, mas Nowo não comenta.

Foto
A Sport TV é liderada por Nuno Ferreira Pires LUSA/MIGUEL A. LOPES

A Sport TV cortou o serviço à Nowo na madrugada de sexta-feira. A Nowo, que era a antiga Cabovisão e que está envolvida num braço-de-ferro com os três operadores accionistas da Sport TV por causa do acesso aos conteúdos da Eleven Sports, queixa-se de uma “decisão sem precedentes” e de “exigências desleais” por parte da empresa detida pela Olivedesportos, de Joaquim Oliveira, Nos, Meo e Vodafone, como um aumento de 15% no preço do contrato.

Em comunicado, a Nowo assegurou que a “interrupção unilateral do serviço” decidida pela Sport TV se deveu à sua “recusa (…) em aceitar novas condições impostas pela Sport TV”, que considerou “desleais, inadequadas e desajustadas face à realidade do mercado”. Críticas semelhantes às que até já lhe tinham sido feitas pelos operadores a propósito das negociações para aceder aos conteúdos desportivos da Eleven Sports (como os jogos da liga dos Campeões e liga espanhola).

A Sport TV defendeu-se afirmando que o contrato com a Nowo terminou no final de Julho, e que a empresa – que já nessa altura tinha uma “elevada dívida vencida” junto da Sport TV – continuou a receber o serviço sem pagar e, ao mesmo tempo, a facturá-lo aos clientes. Uma informação que a Nowo optou por não comentar, quando contactada. Em causa está um valor em dívida que ronda os quatro milhões de euros, segundo apurou o PÚBLICO.

Após o término do contrato, a Sport TV “acedeu, ainda assim, em manter o serviço” até dia 8 de Novembro, “no sentido de não prejudicar os clientes Sport TV que acedem aos seus canais através deste operador, e, simultaneamente, preservar a relação de parceria entre ambos”, frisou a empresa liderada por Nuno Ferreira Pires. “Durante todo o período em dívida, a Nowo continuou a cobrar aos seus clientes os serviços da Sport TV”, sublinha ainda a empresa, que no ano passado registou um resultado líquido de 4,88 milhões de euros.
 
Como “não houve até hoje qualquer pagamento da Nowo à Sport TV, seja por conta da dívida referente ao contrato antigo e já terminado, seja por conta dos serviços posteriores prestados até 8 de Novembro de 2018”, a empresa que conta com os direitos televisivos dos jogos do Benfica (fora de casa), do FC Porto, e do Sporting, bem como das ligas inglesa e italiana, entre outras, optou por interromper os serviços, “por falta de acordo”.

Enquanto a Sport TV refere que as “negociações para renovação entre as duas entidades” tiveram início ainda em Fevereiro, a empresa presidida por Miguel Venâncio diz que foi apanhada de surpresa pelas “novas condições” exigidas pela sua fornecedora, das quais “a mais grave” foi a apresentação por parte da Sport TV de um “novo contrato com um custo 15% superior ao praticado até então”.

A operadora garante que as novas condições lhe foram apresentadas “na véspera do último dia de vigência do contrato anteriormente em vigor” e que não tinha “havido até então qualquer indicação que pudesse antever uma revisão contratual nos moldes” que foram definidos.

Queixando-se de uma “postura atentatória aos valores de respeito comercial e sã concorrência de mercado”, a Nowo diz ainda que “é lamentável que, apesar da subida do custo que a Sport TV agora pretende impor à Nowo e aos outros operadores, a mesma decida manter os custos de subscrição junto dos seus clientes”. A empresa garante que “accionará os meios que considerar necessários para salvaguardar os interesses dos seus clientes”.

Já a Sport TV diz-se empenhada “em restabelecer o serviço dos seus seis canais aos clientes da Nowo assim que a Nowo pretenda ultrapassar a actual situação”.

Enquanto isso, a Nowo já enviou SMS para os seus clientes a informá-los da suspensão das transmissões e da facturação da Sport TV e avança com uma proposta alternativa: “Como compensação, veja o melhor desporto na Eleven Sports e BTV nas posições 65 à 72 até 31-05-2019 ou reposição do serviço Sport TV”, refere o SMS enviado esta manhã.

A Nowo foi vendida pela Altice à gestora de fundos de private equity francesa Apax em 2015, para que a empresa de Patrick Drahi e Armando Pereira pudesse concluir a compra da Meo. Contudo, a Apax acordou recentemente a transmissão do controlo dos activos agrupados na sociedade luxemburguesa Cabolink – além da ex-Cabovisão, a Oni – à KKR, outra gestora de fundos norte-americana.

A operação de “aquisição de controlo exclusivo indirecto” foi notificada no final de Setembro à Autoridade da Concorrência, que na quinta-feira publicou uma decisão de não-oposição.

Segundo informações recolhidas pelo PÚBLICO, o novo accionista tem-se feito representar nas reuniões com a Sport TV por Gabriele Questa, um director da KKR Capstone (que actua sob licença da KKR), que é o responsável pela unidade de “Special Situations”, dedicada à recuperação de dívidas e créditos.

Foi precisamente por causa de uma dívida da Cabolink, mais concretamente da Oni, que a Altice avançou este ano com um pedido de insolvência da operadora de comunicações empresariais, a quem presta um serviço de operadora móvel virtual (MVNO).

Na quinta-feira, o presidente da Altice, Alexandre Fonseca, revelou à margem da Web Summit que metade da dívida (em torno de oito milhões de euros, segundo o Eco) já foi paga e que o pedido de insolvência deverá ser retirado.

Há ainda outra situação de dívida da Nowo que é conhecida. Trata-se do litígio com o Estado em torno do pagamento da contribuição imposta aos operadores de TV por subscrição com o objectivo de financiar o sector do cinema. Em Março, a Nowo tinha uma dívida que rondava os dois milhões de euros por conta da taxa de subscrição.