Opinião

O veneno do amiguismo nacional

É este o homem que alguma nata da política e da cultura portuguesas tem a honra de apoiar?

Eu olho para aquela lista e penso: como é possível? A lista chama-se “Comissão de Honra da Lista A” e apoia a recandidatura de Tomás Correia à liderança da Associação Mutualista Montepio Geral. Convém recordar alguns dados que são do domínio público. 1) O Montepio praticamente foi à falência durante a gestão de Tomás Correia, e a solidez da instituição levanta ainda inúmeras dúvidas. 2) Tomás Correia foi constituído arguido em mais do que um caso, incluindo num processo derivado da Operação Marquês, que envolve o famoso construtor José Guilherme. 3) A acção de Tomás Correia à frente do Montepio está a ser investigada, em processos distintos, pelo Ministério Público e pelo Banco de Portugal. 4) O novo código das associações mutualistas impede Tomás Correia de exercer o cargo se dessas investigações resultar uma acusação.

Isto são factos, não são opiniões. Ainda assim, munido destes factos, Tomás Correia foi capaz de constituir uma equipa que integra o inevitável padre Vítor Melícias (presidente da Assembleia Geral), uma administradora da confiança do actual Governo (a socialista Idália Serrão, que faz parte do Conselho Nacional do PS), e um Conselho Geral que percorre todas as capelinhas de acesso ao poder político: Maria de Belém Roseira, Luís Patrão (velho amigo de José Sócrates e Armando Vara e membro da Comissão Permanente do PS), o social-democrata José de Matos Correia, e até a comunista Maria das Dores Meira, presidente da Câmara de Setúbal.

Mas se esta equipa é constituída por políticos profissionais, que estão infelizmente habituados a circular em ambientes pouco arejados, a forma como Tomás Correia conseguiu, no mês de Novembro de 2018, com toda a gente já fartinha de saber o que foi o seu consulado à frente do Montepio, apresentar uma Comissão de Honra com tantas personalidades destacadas da sociedade portuguesa, é coisa para me encher de vergonha alheia. Olhem-me para esta lista: Manuela Ramalho Eanes, Rui Nabeiro, Vasco Lourenço, Francisco Moita Flores, José Eduardo Martins, Jorge Coelho, Edmundo Martinho (provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa), Carlos Zorrinho, Fernando Seara, aos quais convém adicionar aqueles que, segundo li no jornal i, estiveram na cerimónia de apresentação da candidatura: Camané, Cuca Roseta, Maria do Céu Guerra, Carlos Lopes, João Pedro Pais, Vitorino, Hélder Moutinho, António Manuel Ribeiro (UHF), António-Pedro Vasconcelos, os ex-presidentes do Sporting Godinho Lopes e Sousa Cintra, “entre outras figuras públicas”.

Eu sei que o Montepio Geral patrocinou concertos a muita gente, mas por amor de Deus: alguém lê jornais? Alguém se deu ao trabalho de comprar o PÚBLICO de domingo passado para ver aquilo que Cristina Ferreira escreveu sobre as ligações entre Tomás Correia e o empresário José Guilherme, que recebeu a astronómica quantia de 28,4 milhões de euros do Montepio (quase toda por liquidar), incluindo um empréstimo de 8,5 milhões de euros a título pessoal no mesmo ano em que José Guilherme ofereceu 8,5 milhões de euros a Ricardo Salgado a título de “liberalidades”? Ninguém ouviu falar disto? É este o homem que alguma nata da política e da cultura portuguesas tem a honra de apoiar? Muito sinceramente, há coisas que ultrapassam o meu entendimento. Eu percebo que as pessoas possam ser amigas de Tomás Correia e que lhe devam simpatias, e até favores. Não percebo que não haja limites para o amiguismo, mesmo quando os amigos andam há décadas a desgraçar o país.