Taxa de desemprego no terceiro trimestre estabilizou nos 6,7%

Depois de seis trimestres consecutivos a descer, a taxa de desemprego estabilizou em 6,7%. População desempregada teve ligeiro aumento do segundo para o terceiro trimestre de 2018.

Dados do mercado de trabalho apresentados pelo ministro das Finanças, na apresentação do OE.
Foto
Dados do mercado de trabalho apresentados pelo ministro das Finanças, na apresentação do OE. Rui Gaudencio

Depois de seis trimestres consecutivos a descer, a taxa de desemprego estabilizou em 6,7% no terceiro trimestre de 2018. Os dados divulgados nesta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) apontam para uma manutenção do desemprego face ao trimestre anterior e para um recuo de 1,8 pontos percentuais em relação ao trimestre homólogo de 2017.

No final de 2016, o desemprego tinha estabilizado nos 10,5% para logo no primeiro trimestre de 2017 cair até aos 10,1%. Desde então, a taxa registou descidas consecutivas e, já em 2018, do primeiro para o segundo trimestre registou-se um recuo significativo do desemprego que passou de 7,9% para 6,7% da população activa. Agora, os dados mais recentes deixam sinais de que poderá estar-se perante uma estabilização da taxa de desemprego, indo ao encontro do que têm dito vários economistas.

O INE dá conta de 352.700 desempregados em Portugal, alertando que a população desempregada interrompeu a tendência de descida e teve um ligeiro aumento (de 0,26%) trimestral. “A população desempregada (…) manteve-se praticamente inalterada relativamente ao trimestre anterior, interrompendo os decréscimos trimestrais observados desde o segundo trimestre de 2016”, lê-se na síntese estatística.

Já na comparação com o terceiro trimestre de 2017, tanto a taxa de desemprego como a população desempregada continuaram a recuar. A taxa de desemprego caiu 1,8 pontos percentuais e o número de pessoas afectadas teve uma diminuição de 20,6%.

Além da taxa de desemprego oficial, o INE dá também conta da taxa de subutilização do trabalho, um indicador que, além da população desempregada, inclui o subemprego de trabalhadores a tempo parcial, os inactivos à procura de emprego mas não disponíveis e os inactivos disponíveis mas que não procuram emprego no período em análise. Essa taxa foi de 13,1% no terceiro trimestre, inferior em 0,2 pontos percentuais à do trimestre anterior e em 2,7 pontos percentuais em relação ao trimestre homólogo de 2017.

Os dados mensais divulgados há poucas semanas já apontavam para uma alteração de tendência no mercado de trabalho. Em Agosto e após uma ligeira revisão em alta feita pelo INE, a taxa de desemprego subiu para 6,9%, tratando-se, pela primeira vez desde Fevereiro de 2016, de um aumento mensal da taxa de desemprego.

Emprego com aumento tímido

O emprego teve um aumento tímido face ao trimestre anterior. A população empregada, estimada em 4.902.800 pessoas, registou uma subida de 0,6%, o que corresponde a mais 28.700 pessoas empregadas. Olhando para o que aconteceu em 2017, a evolução do segundo para o terceiro trimestre tinha sido mais positiva, com mais 42.600 pessoas a trabalhar.

Comparando com o período homólogo, uma análise que de certa forma anula os efeitos da sazonalidade, o INE aponta para a existência de mais 99.800 pessoas empregadas (um aumento de 2,1%). Trata-se ainda assim de um abrandamento face à evolução que se vinha sentindo anteriormente.

O emprego cresceu sobretudo na indústria (mais 2,9%) e nos serviços (2,1%) – em particular nas actividades de educação e de administração pública, defesa e segurança social obrigatória (mais 8,6%) –, enquanto na agricultura recuou 1%. Já quando se olha para o tipo de contrato, os vínculos sem termo registaram um aumento de 2,7%, enquanto os contratos sem termo tiveram uma queda de 0,3%. Mas os outros tipos de contrato, onde se incluem os recibos verdes, cresceram 9,1%.

A taxa de desemprego de jovens (dos 15 aos 24 anos) subiu de 19,4% para 20% do segundo para o terceiro trimestre e corresponde agora ao segundo valor mais baixo da série iniciada em 2011. Na comparação com o ano passado, o desemprego jovem recuou 4,2 pontos percentuais.

As estimativas trimestrais baseiam-se num inquérito que considera a população com 15 e mais anos e os valores não são ajustados dos efeitos da sazonalidade.

Sugerir correcção