A Pretty Vulgar chega à Europa com embalagens criativas e mensagens divertidas

Marca de maquilhagem norte-americana propõe um mundo de contradições. Está à venda nas perfumarias Douglas, em Lisboa e online.

Fotogaleria
Fotogaleria
Os eyeliners On Point e Writing on the wall (19,95 euros)
Fotogaleria
As paletes de sombras Throwing Shade (29,95 euros)
Fotogaleria
A máscara e primário para as pestanas (19,95 euros)
Fotogaleria

Há um pássaro que está fora da gaiola na embalagem do rímel. Há uma garrafinha de licor com verniz lá dentro. Há um boião de tinta permanente que não é mais do que eyeliner em gel. A Pretty Vulgar é uma marca de maquilhagem norte-americana que se pauta pela originalidade e pelas contradições, diz o site da mesma. A marca atravessou o oceano pretende chegar a 16 países europeus, através das perfumarias Douglas.

A Portugal chegou este mês e a novidade fica-se fisicamente por Lisboa, nas lojas dos centros comerciais Colombo e Vasco da Gama, e virtualmente na loja online da Douglas. Nos EUA, a Pretty Vulgar vende-se na cadeia Sephora, informa Clara Tena, directora regional para a Europa. A alguns países chegou em Setembro, há ainda mercados que estão a ser desbravados, mas será sempre vendida nas perfumarias Douglas, acrescenta.

A marca que nasceu há um ano e meio foi criada por um grupo de profissionais de maquilhagem, conta Clara Tena, durante a apresentação à imprensa, em Lisboa. E, embora tenha a preocupação de ser cruelty free, ou seja, não é testada em animais; ser vegan, não ter parabenos, sulfatos e ftalatos, a comunicação da marca centra-se numa história que se quer contar: a das mulheres cheias de contradições, as mulheres que ora querem parecer lindas (pretty) ora querem parecer mais simples e soltas (vulgar), explica Clara Tena, mostrando um slide onde se lê: "Ela bebe whisky numa chávena de chá" para mostrar como é que as consumidoras podem parecer pouco coerentes e fazer coisas inexplicáveis.

Além do nome da marca – que quer chegar a um largo espectro de consumidoras –, há uma enorme preocupação com o nome dos produtos. Aqui há uma série de trocadilhos feitos com as palavras, por vezes, com mensagens corrosivas, a lembrar palavrões ou gestos feios, aponta a responsável. Tudo é feito com algum humor e em inglês. Se os nomes fossem traduzidos, perder-se-ia toda a intenção, reconhece Clara Tena.

Além dos nomes, o packaging também é uma preocupação. Com um ar antigo, vintage, as embalagens contam uma história e muitas têm em comum os pássaros fora da gaiola – um desejo da marca para todas as mulheres, que sejam livres como os pássaros e vivam sem barreiras, explica a responsável da Pretty Vulgar. Por exemplo, o rímel (19,95 euros) – chamado apropriadamente Raven (corvo) por ser de cor negra – vem numa embalagem que é uma gaiola dourada e o pássaro está livre no topo da mesma. Há um eyeliner que vem numa caneta que parece de tinta permanente e que se chama On Point (19,95 euros), e outro em gel que chega num frasco de tinta, aparentemente antigo, e se chama The Ink (24,95 euros). 

A linha de batons (19,95 euros) foi baptizada com a frase Bury them with a smile e o hidratante de lábios (19,95 euros) tem o nome de Silent Treatment. "Há sempre uma mensagem corrosiva", resume Clara Tena, acrescentando que esta é uma marca prestige, mas com preços acessíveis, criada "para as mulheres encontrarem as suas contradições".