Trump: tudo foi feito para "deter o assalto" de migrantes hondurenhos

Presidente dos Estados Unidos diz que migrantes têm que pedir asilo no México. "Se não o fizerem, os Estados Unidos irão recusá-los", avisa.

Fotogaleria
Esta é a maior marcha de migrantes registada até à data Reuters/UESLEI MARCELINO
Fotogaleria
Os migrantes fogem da pobreza e da violência de grupos criminosos organizados nas Honduras Reuters/JORGE CABRERA
Fotogaleria
A caravana foi apelidada de "Marcha dos Migrantes" por vários países da América Central Reuters/JORGE CABRERA
Fotogaleria
Esta grande movimentação de migrantes, que mobiliza famílias inteiras, começou quando cerca de dois mil migrantes hondurenhos saíram a pé de San Pedro Sula, a cerca de 180 quilómetros a norte da capital das Honduras, Tegucigalpa, em resposta a um apelo publicado nas redes sociais Reuters/UESLEI MARCELINO
Fotogaleria
A maior parte dos migrantes atravessou a fronteira ilegalmente atravessando o rio Suchiate, que separa a Guatemala do México LUSA/EDWIN BERCIAN
Fotogaleria
As autoridades mexicanas tentaram bloquear a 'caravana', mais muitos migrantes atravessaram pelo rio Reuters/UESLEI MARCELINO
Fotogaleria
Num ponto anterior do percurso da marcha, migrantes atravessaram o rio Lempa, na fronteira entre as Honduras e a Guatemala. Estima-se que a caravana seja composta por quase 7 mil pessoas Reuters/JORGE CABRERA
Fotogaleria
"Chegamos até aqui, não há como voltar. Queremos atravessar o México", disse David López, um dos coordenadores da marcha, que cruzou a fronteira pelo rio Reuters/UESLEI MARCELINO
Fotogaleria
O presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, disse que o conflito na fronteira era "sem precedentes" e acusou alguns dos integrantes da caravana de atacarem a polícia Reuters/UESLEI MARCELINO
Fotogaleria
O Presidente norte-americano, Donald Trump, garantiu que tudo foi feito para "deter o assalto" de milhares de migrantes hondurenhos, a caminho dos Estados Unidos, a partir do sul do México Reuters/JORGE CABRERA
Fotogaleria
As autoridades mexicanas disseram que aqueles com passaportes e vistos válidos poderiam entrar imediatamente, mas serão sempre uma minoria Reuters/JORGE CABRERA
Fotogaleria
O comissário nacional de segurança do México, Renato Sales Heredia, disse à BBC que os migrantes devem "comprovar que, no seu país de origem, sofrem com a violência ou algum problema humanitário" Reuters/UESLEI MARCELINO
Fotogaleria
Migrante das Honduras protege o filho ao atravessar um checkpoint na Guatemala Reuters/UESLEI MARCELINO
Fotogaleria
"Queremos chegar aos Estados Unidos", disse Maria Irias Rodriguez, 17, uma imigrante de Tegucigalpa, Honduras, citada pelo New York Times. "Se nos pararem agora, voltaremos uma segunda vez" Reuters/UESLEI MARCELINO
Fotogaleria
Com receio de serem deportados, a maioria do grupo continua a viagem para norte, em direcção aos EUA Reuters/UESLEI MARCELINO
Fotogaleria
"Todos os esforços estão a ser feitos para impedir o ataque de migrantes ilegais de cruzar a nossa fronteira a sul. As pessoas têm que solicitar primeiro asilo no México e, se não o fizerem, os Estados Unidos irão recusá-las", lê-se numa publicação de Donald Trump na rede social Twitter Reuters/JORGE CABRERA
Fotogaleria
A caravana faz parte de uma tradição de migrações em massa, muitas vezes organizada por grupos de activistas, destinada a proporcionar segurança em número aos migrantes, que enfrentam muitas ameaças à sua segurança ao longo da perigosa trilha dos migrantes Reuters/UESLEI MARCELINO

O Presidente norte-americano, Donald Trump, garantiu este domingo que tudo foi feito para "deter o assalto" de milhares de migrantes hondurenhos, a caminho dos Estados Unidos, a partir do sul do México.

"Todos os esforços estão a ser feitos para impedir o ataque de migrantes ilegais de cruzar a nossa fronteira a sul. As pessoas têm que solicitar primeiro asilo no México e, se não o fizerem, os Estados Unidos irão recusá-las", lê-se numa publicação de Donald Trump na rede social Twitter.

Num segundo tweet, o Presidente norte-americano afirmou que "as caravanas são uma desgraça para o Partido Democrata", exigindo que "mudem as leis da imigração AGORA!", depois de ter acusado os democratas, em minoria no Congresso norte-americano, de encorajarem as migrações em massa para os Estados Unidos.

"Devo pedir ao México que pare este assalto - e se não for capaz, chamarei o exército americano para fechar a nossa fronteira a sul", tinha afirmado Trump na quinta-feira.

Cerca de três mil hondurenhos retomaram este domingo a marcha em direcção aos Estados Unidos, a partir de Ciudad Hidalgo, no sul do México, enquanto outro milhar aguardava num ponto de fronteira para poder entrar de forma legal no país.

Inicialmente, as autoridades mexicanas conseguiram bloquear a 'caravana', que estimam ser composta por cerca de quatro mil pessoas, mais muitos migrantes entraram ilegalmente no país pelo rio Suchiate, que separa o México da Guatemala.

Esta grande movimentação de migrantes, que mobiliza famílias inteiras, começou quando cerca de dois mil migrantes hondurenhos saíram a pé de San Pedro Sula, a cerca de 180 quilómetros a norte da capital das Honduras, Tegucigalpa, em resposta a um apelo publicado nas redes sociais.

Fugir da miséria, da violência de grupos criminosos organizados nas Honduras e alcançar os Estados Unidos e melhores condições de vida são as principais motivações destas pessoas.

A caravana foi apelidada de "Marcha dos Migrantes" por vários países da América Central.

Sugerir correcção