Trump ameaça fechar fronteira Sul perante a aproximação de mais uma marcha de imigrantes

Há milhares de pessoas em trânsito no continente americano, rumo a Norte. Fogem da miséria e da criminalidade.

Fotogaleria
Esteban Biba/EPA
Fotogaleria
Esteban Biba/EPA
A marcha nas Honduras e Guatemala
Fotogaleria
A marcha nas Honduras e Guatemala Esteban Biba/EPA
Fotogaleria
Esteban Biba/EPA

O Presidente norte-americano, Donald Trump, ameaçou nesta quinta-feira fechar a fronteira entre os Estados Unidos e o México, numa altura em que milhares de imigrantes atravessam a pé vários países da América Central  com o objectivo de chegar aos EUA.

“Devo pedir ao México, nos termos mais fortes, para travar este assalto – se não for capaz, chamarei o exército americano e encerrarei a nossa fronteira Sul”, escreveu Trump no Twitter.

Com esta mensagem, Trump recuperou um dos principais temas da sua campanha presidencial de 2016, a três semanas das eleições intercalares norte-americanas (agendadas para 6 de Novembro e que vão determinar a composiçãodas duas câmaras do Congresso) consideradas cruciais para o seu mandato na Casa Branca.

Milhares de hondurenhos, incluindo famílias inteiras, prosseguiam na quarta-feira com uma marcha, que atravessa vários países da América Central com o objetivo de entrar nos Estados Unidos, desafiando Trump que tem ameaçado com represálias, nomeadamente cortar as ajudas económicas aos países que deixarem passar esta caravana.

Esta grande movimentação de pessoas começou no sábado, quando cerca de dois mil hondurenhos saíram a pé de San Pedro Sula, a cerca de 180 quilómetros a Norte da capital das Honduras, Tegucigalpa, em resposta a um apelo publicado nas redes sociais.

Fugir da miséria, da violência de grupos criminosos organizados nas Honduras e alcançar o "sonho americano" são as principais motivações de grupo.

Após várias horas de tensão com as forças policiais, a “marcha” cruzou a fronteira da Guatemala, entre as Honduras e o México, e dividiu-se em dois grupos em direção à capital do país.

Exaustos após várias horas de caminhada, sob sol e chuva, cerca de mil pessoas chegaram na noite de terça para quarta-feira à Cidade da Guatemala.

Um outro grupo, com cerca de mil pessoas, encontrava-se nesse momento na região leste da Guatemala, também a caminho dos Estados Unidos.

Outro grupo de hondurenhos, perto de 500, cruzou na quarta-feira a fronteira com El Salvador, com a intenção de atravessar o país e juntar-se na região Norte da Guatemala à marcha.

No Twitter, Donald Trump renovou nesta quinta-feira a ameaça de cortar as ajudas financeiras aos países da América Central envolvidos nesta situação.

Os tweets presidenciais também visaram os membros do Partido Democrata que, segundo Trump, querem “abrir as fronteiras” ao abrigo de “leis fracas” que não são da responsabilidade da atual Administração.

O chefe da diplomacia norte-americana, Mike Pompeo, desloca-se hoje e amanhã ao Panamá e ao México.

Sugerir correcção