EDP declara emergência em Coimbra e pondera pedir ajuda internacional

Empresa admite recorrer a meios internacionais para reparar os estragos causados pela tempestade Leslie. Coimbra foi a região mais afectada pela passagem da tempestade tropical, que chegou a ser um furacão.

Foto
Destruição causada pelo Leslie em Coimbra, o distrito mais afectado pela intempérie LUSA/PAULO NOVAIS

A EDP Distribuição declarou este domingo o Estado de Emergência para o distrito de Coimbra, o mais grave previsto no seu plano de actuação, e admite recorrer a meios internacionais para reparar os danos causados pela tempestade tropical Leslie.

Em comunicado, a empresa diz que, "face aos danos da rede eléctrica causados pela passagem do furacão Leslie, os quais foram confirmados durante o dia de hoje pela avaliação técnica da EDP Distribuição, declara, para o distrito de Coimbra, o Estado de Emergência, o mais grave previsto no seu plano operacional de actuação em crise, desde as 20h deste domingo".

Esta declaração de Estado de Emergência "resulta de acontecimentos com grandes repercussões e concretiza-se na mobilização, com âmbito nacional, de todos os meios humanos, materiais e equipamentos disponíveis na empresa, seus prestadores de serviço e fornecedores", adianta a EDP Distribuição.

"Poderá também ser ponderado, em caso de necessidade, o eventual recurso a meios internacionais", concluiu a eléctrica.

Anteriormente, a EDP Distribuição já tinha avançado que os danos provocados pela passagem da tempestade tropical eram "muito significativos" na rede de distribuição de energia. "Com a circulação de viaturas possível no dia de hoje, bem como o sobrevoo de helicóptero, foi possível confirmar danos muito significativos provocados pelo furacão Leslie na rede de distribuição de energia", refere a empresa em comunicado, num balanço à situação às 19h.

Actualmente, "estão sem energia eléctrica cerca de 100 mil habitações", o mesmo número que tinha sido avançado pela EDP Distribuição durante a tarde. Destacou que há zonas "muito preocupantes no distrito de Coimbra, em particular as localidades abastecidas pelas subestações de Louriçal e Soure, onde várias linhas de alta e média tensão (AT/MT) permanecem inoperacionais, com postes danificados".

PÚBLICO - Praia da Vieira
Praia da Vieira LUSA/Paulo Cunha
PÚBLICO - Figueira da Foz
Figueira da Foz LUSA/PAULO NOVAIS
PÚBLICO - Um bungalow destruído no Parque de Campismo da Praia do Cabedelo, na Figueira da Foz
Um bungalow destruído no Parque de Campismo da Praia do Cabedelo, na Figueira da Foz LUSA/PAULO NOVAIS
PÚBLICO - Figueira da Foz
Figueira da Foz LUSA/PAULO NOVAIS
PÚBLICO - Praia do Pedrógão, Leiria
Praia do Pedrógão, Leiria LUSA/Paulo Cunha
PÚBLICO - Figueira da Foz
Figueira da Foz LUSA/PAULO NOVAIS
PÚBLICO - Pavilhões da Escola Profissional de Montemor-o-Velho destruídos pela passagem da tempestade em Montemor-o-Velho
Pavilhões da Escola Profissional de Montemor-o-Velho destruídos pela passagem da tempestade em Montemor-o-Velho LUSA/PAULO NOVAIS
PÚBLICO - Figueira da Foz
Figueira da Foz LUSA/PAULO NOVAIS
PÚBLICO - Praia do Pedrógão, Leiria
Praia do Pedrógão, Leiria LUSA/Paulo Cunha
PÚBLICO - Condeixa
Condeixa Fotografia enviada pela leitora Inês Sofia Baptista
PÚBLICO - Praia do Pedrógão, Leiria
Praia do Pedrógão, Leiria LUSA/PAULO CUNHA
PÚBLICO - Praia do Pedrógão, Leiria
Praia do Pedrógão, Leiria LUSA/PAULO CUNHA
PÚBLICO - O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita durante a visita a zonas afectadas pela passagem da tempestade <i>Leslie</i>, em Montemor-o-Velho
O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita durante a visita a zonas afectadas pela passagem da tempestade Leslie, em Montemor-o-Velho LUSA/PAULO NOVAIS
PÚBLICO - Dezenas de rulotes ficaram destruídas, no Parque de Campismo da Praia do Cabedelo, na Figueira da Foz
Dezenas de rulotes ficaram destruídas, no Parque de Campismo da Praia do Cabedelo, na Figueira da Foz LUSA/PAULO NOVAIS
PÚBLICO - Vieira de Leiria
Vieira de Leiria LUSA/Paulo Cunha
PÚBLICO - Joaquim Veiga ficou ferido quando a rulote foi destruída, no Parque de Campismo da Praia do Cabedelo, na Figueira da Foz
Joaquim Veiga ficou ferido quando a rulote foi destruída, no Parque de Campismo da Praia do Cabedelo, na Figueira da Foz LUSA/José Luís Sousa
PÚBLICO - Praia do Cabedelo, na Figueira da Foz
Praia do Cabedelo, na Figueira da Foz LUSA/PAULO NOVAIS
PÚBLICO - Praia do Cabedelo, na Figueira da Foz
Praia do Cabedelo, na Figueira da Foz LUSA/PAULO CUNHA
PÚBLICO - Figueira da Foz
Figueira da Foz LUSA/PAULO NOVAIS
PÚBLICO - Coimbra
Coimbra Fotografia enviada pelo leitor Mário Travanca
PÚBLICO - Figueira da Foz
Figueira da Foz LUSA/PAULO NOVAIS
PÚBLICO - Coimbra
Coimbra LUSA/PAULO NOVAIS
PÚBLICO - Figueira da Foz
Figueira da Foz LUSA/PAULO NOVAIS
PÚBLICO - Coimbra
Coimbra LUSA/PAULO NOVAIS
PÚBLICO - Praia da Vieira
Praia da Vieira LUSA/Paulo Cunha
PÚBLICO - Praia da Vieira
Praia da Vieira LUSA/Paulo Cunha
PÚBLICO - Coimbra
Coimbra LUSA/PAULO NOVAIS
PÚBLICO - Figueira da Foz
Figueira da Foz LUSA/PAULO NOVAIS
Fotogaleria

Perante a dimensão dos estragos, "não é ainda possível estimar a data para a conclusão dos trabalhos", tinha avançado no balanço anterior. No entanto, "a reparação de linhas, bem como o reforço de meios auxiliares como sejam geradores de emergência (50 instalados neste momento) tem permitido uma progressiva redução de situações de avaria".

"A EDP Distribuição mantém um contingente de mais de 500 operacionais no terreno, tendo mobilizado, desde cedo, equipas noutros locais do país", continuou. A EDP Distribuição "está, como sempre, fortemente empenhada e a desenvolver todos os esforços para a normalização do serviço de fornecimento de energia tão rapidamente quanto possível", referiu, salientando que "mantém a colaboração com todas as entidades envolvidas nestes processos, nomeadamente Protecção Civil e autarquias".

No balanço ao início da tarde o presidente do Conselho de Administração da EDP Distribuição, João Torres, disse que "mais de 100 mil consumidores" permaneciam sem energia, "depois de terem chegado aos 300 mil.

A passagem do Leslie por Portugal, no sábado e no domingo provocou 28 feridos ligeiros e 61 desalojados. A Protecção Civil mobilizou 8217 operacionais, que tiverem de responder a 2495 ocorrências, sobretudo queda de árvores e de estruturas e deslizamento de terras. O distrito mais afectado pelo Leslie foi o de Coimbra, onde a tempestade, com um "percurso muito errático", se fez sentir com maior intensidade, segundo o comandante nacional da Autoridade Nacional de Protecção Civil.