Há duas centenas de oliveiras com mais de dois mil anos em Portugal

Através de um método considerado inovador, uma equipa da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro tem datado as oliveiras mais antigas de Portugal e arredores. Qual é o top 3?

Foto
Oliveira com 2450 anos em Monsaraz DR

Quando nos confrontamos com uma oliveira milenar, é quase impossível não notarmos a sua majestosidade. Sendo uma boa parte da paisagem de Portugal dominada por oliveiras, quantas nasceram há mais de dois mil anos? De acordo com as datações feitas por uma equipa da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro liderada pelo engenheiro florestal José Luís Louzada, são cerca de 200. Em primeiro lugar, com 3350 anos, está uma oliveira em Abrantes. Logo a seguir, com 2850 anos, fica uma oliveira em Santa Iria de Azóia. E em terceiro está uma com 2450 anos em Monsaraz.

Esta aventura para desvendar a idade das oliveiras começou porque André Soares dos Reis, proprietário da empresa Oliveiras Milenares – que vende oliveiras ornamentais –, queria garantir aos seus clientes quantos anos tinham essas árvores tão antigas. José Louzada aceitou o desafio e desenvolveu um método matemático que relaciona a idade com características do tronco, como o seu raio, diâmetro, altura ou perímetro.

Nos modelos desenvolvidos, consegue-se – sem destruir a árvore e em árvores ocas – saber a idade de oliveiras até três mil anos. Até agora, José Louzada diz que já se dataram “aproximadamente 200” com mais de dois mil anos. “A grande maioria é portuguesa e meia dúzia é espanhola.”

Como este método pode ser adaptado a outras espécies, no futuro José Louzada gostaria de calibrá-lo para os castanheiros, por exemplo.

Mas façamos um percurso pelo top 3 destas oliveiras anciãs. No primeiro lugar está uma oliveira situada em Mouriscas, no concelho de Abrantes. Tem um diâmetro de cerca de 2,5 metros, 3350 anos e chama-se “oliveira do Mouchão”. Porquê? “ [Era] onde os pescadores se juntavam e o primeiro que chegava era o que ia pescar para a pesqueira [lugar no Tejo onde há armações de pesca] do Mouchão, que era muito boa para pescar”, conta Pedro Matos, presidente da Junta de Freguesia de Mouriscas.

PÚBLICO -
Foto
Oliveira com 3350 anos em Mouriscas (Abrantes) DR

Além disso, é um local de memórias: “Sempre ouvi que era onde se jogava às cartas e [as pessoas] se abrigavam do mau tempo.” Actualmente, é considerado arvoredo de interesse público e ainda produz azeitonas. 

A seguir, no pódio, está uma oliveira com 2850 anos em Santa Iria de Azóia, concelho de Loures. José Louzada até se recorda de uma história recente desta oliveira em meio urbano. “A dada altura, quiseram deitar abaixo a oliveira para alargar uma estrada”, revela. “Entretanto, houve algumas pessoas que se insurgiram e acharam que era um crime abater uma árvore majestosa.” Como tal, a Associação de Defesa do Património Ambiental e Cultural de Santa Iria de Azóia contactou a equipa de José Louzada para se saber a idade dessa oliveira.

“Quando as pessoas se aperceberam da antiguidade da árvore, a impossibilidade de fazer obras sem a sacrificar foi alterada completamente.” José Louzada diz que até arranjaram o espaço que envolve a árvore e há placas a indicar onde fica.

O top 3 termina com uma oliveira com 2450 anos em Monsaraz, e o seu tronco precisa de sete pessoas para a abraçar. Essa oliveira está entre outras (cerca de 20) e, como estão alinhadas, o engenheiro florestal salienta que se nota que houve ali intervenção humana para que se aproveitasse aquele olival.

PÚBLICO -
Foto
Oliveira com 2850 anos em Santa Iria de Azóia Cristina Mendes

Segredo da longevidade

Se continuarmos pelo país fora, encontramos mais árvores milenares (nem todas com mais de dois mil anos) em Estremoz, Montemor-o-Novo, Lagoa, Beja ou Évora. Paremos em Évora, nomeadamente no Convento do Espinheiro. Aqui há uma oliveira com cerca de 1100 anos. Portanto, se o seu “nascimento” foi por volta do ano de 920, já terá visto o próprio convento a erguer-se no século XV. Este convento está ligado a várias lendas, como a visão da presença de Nossa Senhora sobre um espinheiro em chamas.

Mas José Louzada destaca uma história sobre os encontros amorosos clandestinos entre um futuro rei português e uma filha dos reis católicos de Espanha, antes do seu casamento. “O príncipe subia através dessa oliveira para chegar aos aposentos da princesa. Entretanto, a coisa veio a descobrir-se e dizia-se que a princesa já não estava pura quando se consumou o casamento. Foi um imbróglio desgraçado.”

Mas nem só em Portugal se têm datado as oliveiras. Já se classificaram em Bordéus, Girona ou em Málaga. “A mais majestosa é a da ilha de Menorca, em Espanha. É muito grande”, descreve o engenheiro florestal, referindo que tem 2310 anos.

PÚBLICO -
Foto
Oliveira com cerca de 1100 anos em Évora DR

Já agora, qual o segredo da longevidade das oliveiras? “Por um lado, estão bem adaptadas ao ecossistema mediterrânico. Mas há outra particularidade: têm uma grande capacidade de regenerar tecidos novos”, indica. “Quando se diz que têm dois mil anos, é óbvio que não há nenhuma célula com dois mil anos. À medida que a parte mais velha vai morrendo, vai rejuvenescendo e emitindo novos rebentos.” São então estes novos rebentos que mantêm a perpetuidade desta árvore. “Faz este processo de forma quase infinita. Desde que não ocorra nenhum processo anormal à árvore, esta poderia ter uma longevidade quase eterna.”