Torne-se perito

Festival Literário Internacional de Óbidos arranca esta quinta-feira

Os 20 anos da atribuição do Prémio Nobel da Literatura a José Saramago e uma homenagem a Eduardo Lourenço marcam o primeiro dia do Folio - Festival Literário Internacional de Óbidos que decorre até 7 de Outubro.

Foto
Nuno Ferreira Santos

O Folio - Festival Literário Internacional arranca nesta quinta-feira, em Óbidos, vila onde, durante 11 dias, autores e público participarão em mais de 830 horas de iniciativas em torno do tema Ócio, Negócio - A Invenção do Futuro.

Na sua quarta edição, o festival fomenta, segundo o presidente da Câmara de Óbidos, Humberto Marques, "a reflexão sobre a relação entre o ócio e o negócio e a forma como isso se reflectirá no futuro", numa programação que defende ter "a maior coerência de sempre".

Os 20 anos da atribuição do Prémio Nobel da Literatura a José Saramago e uma homenagem a Eduardo Lourenço marcam o primeiro dia do Folio - Festival Literário Internacional de Óbidos que, até 7 de Outubro, reunirá na vila escritores como Carlos Franz (Chile), Karla Suárez (Cuba), Abdul Rahman Azzam (Qatar), Ismael Mateus (Angola), António Torres (Brasil), José Manuel Fajardo (Espanha) e os angolanos Pepetela e Ondjaki.

Entre os portugueses marcarão presença, entre outros, Nuno Camarneiro, João Soares, Luís Amado, Hugo Mezena, José Riço Direitinho, Henrique Manuel Bento Fialho, Dulce Maria Cardoso, Alfredo Cunha, Pacheco Pereira e Fernando Rosas.

Ao todo, as 831 horas de programação "envolverão 554 participantes directos", entre autores, pensadores, artistas e criativos que, segundo o autarca, participarão nas 26 mesas de escritores, 25 concertos e 11 exposições que compõem o programa com mais de 185 actividades.

Dividido em cinco capítulos (Autores, Folia, Educa, Ilustra e Paralelo), o festival substitui nesta edição o Folio Paralelo pela Boémia, "uma programação que juntará leitores e autores em locais improváveis, para lá da meia-noite", explicou Humberto Marques à Lusa.

No Ilustra o festival voltará a ser palco da PIM - Mostra de Ilustração e da entrega do Prémio Nacional de Ilustração 2018 a Madalena Matoso, pela obra "Não é nada difícil".

No Folio Educa há lugar para o IV Seminário Internacional, que reunirá em Óbidos destacados pensadores nacionais e internacionais na área da educação e do ensino.

Este ano, o Dia Europeu das Línguas é também celebrado no Folio com um programa cultural diversificado e actividades para toda a família que, segundo a organização, permitirá "aos participantes experienciar as línguas e culturas de diferentes países europeus".

Trata-se de uma iniciativa da EUNIC Portugal - uma organização sem fins lucrativos integrada numa rede constituída pelos Institutos Nacionais de Cultura - em parceria com o município de Óbidos e com apoio da Representação da Comissão Europeia em Portugal.

Teatro, fado, folk e a prestação de orquestras da região e solistas da Orquestra Metropolitana de Lisboa integram o cartaz da Folia que marcam os 11 dias de festival que, na sexta-feira (dia 28), será palco da gravação do programa Governo Sombra, com Carlos Vaz Marques, Ricardo Araújo Pereira, Pedro Mexia e João Miguel Tavares.

Pelo segundo ano consecutivo, o Folio inclui também cursos de escrita criativa e um Curso Breve ministrado por Gonçalo M. Tavares a partir do livro O Senhor Valéry e de Breves notas sobre Literatura - Bloom.

A quarta edição do Folio tem um orçamento de 256 mil euros e conta com os apoios do Turismo de Portugal e do Turismo do Centro.

Sugerir correcção