Morreu Robert Venturi, o arquitecto que gostava da contradição

Foi com ele que aprendemos o pós-modernismo. Nos anos 60, o arquitecto e teórico norte-americano denunciou o puritanismo do Movimento Moderno, porque a arquitectura também precisa de história, dos néon de Las Vegas e até de algum humor.

Fotogaleria
Ropbert Venturi Todd Sheridan
Fotogaleria
Robert Venturi desenhou a Casa Vanna Venturi, no bairro de Chestnut Hill, em Filadélfia, no começo dos anos 1960. Este que edifício que o arquitecto concebeu para a sua mãe é considerado um dos primeiros do pós-modernismo Smalbones
Fotogaleria
Fachada da Casa Vanna (1964) Carol Highsmith
Fotogaleria
Guild House, Robert Venturi, Filadélfia (1964) Smalbones
Fotogaleria
Quartel de Bombeiros em Columbus, Indiana (1968)
Fotogaleria
Freedom Plaza, Washington DC, aqui vista do 12.º andar da Torre do Relógio do velho posto dos correios (1980) DR
Fotogaleria
Ala Sainsbury na National Gallery de Londres, um projecto que Venturi assina com a mulher, Denise Scott Brown, e com Barry Edward Middleton (1989-1991) Richard George
Fotogaleria
Seattle Art Museum, Seattle, Washington (1991) Joel Mabel
Fotogaleria
Trabant Student Center, Universidade do Delaware (1996)
Fotogaleria
Exterior da Capela da Academia Episcopal, Pensilvânia (2008) Smalbones
Fotogaleria
Interior da Capela da Academia Episcopal (2008) Smalbones

A casa que Robert Venturi fez para a mãe em 1964 é uma boa síntese do que o arquitecto norte-americano, desaparecido na terça-feira aos 93 anos, defendeu em toda a sua vida nas obras que desenhou ou nos livros que escreveu. É uma casa com um telhado composto por duas águas, mesmo que esse telhado pareça interrompido por uma fenda para quem o vê da fachada principal. Mas como as coisas não são só o que parecem, o telhado ganha uma terceira água, um novo plano, quando vemos a casa das traseiras.

“É uma casa que parece uma casa, com telhado, chaminé e ornamentação. Temas que tinham sido abandonados pela arquitectura moderna. A casa rompe com o modelo da caixa de vidro minimalista”, diz o crítico de arquitectura do PÚBLICO Jorge Figueira quando lhe perguntamos qual é a importância de Robert Venturi no aparecimento e definição do pós-modernismo. Complexidade e Contradição em Arquitectura, o livro que Venturi escreveu em 1966, é um manifesto “contra o exclusivismo do ‘menos é mais’ modernista” (Mies van der Rohe, dixit), contra o purismo das formas, a que o norte-americano contrapõe o seu provocador “menos é chato”. Repesca a importância da história da arquitectura para a prática da profissão de arquitecto: “Venturi diz que há uma história das arquitecturas maneiristas, que não são feitas com modelos puros mas são derivação ou abastardamento, que têm muitas ambiguidades. Defende que é isso que a arquitectura precisa para superar o dogma moderno da unidade de estilo, a ideia de uma coerência absoluta para a arquitectura. O livro Complexidade e Contradição é um elogio da arquitectura ambígua.”

Segundo o obituário do New York Times, a morte de Roberto Venturi, que tinha abandonado o atelier em 2012, foi consequência da doença de Alzheimer. Embora ele rejeitasse o título, o jornal norte-americano recorda que ele era muitas vezes visto como “o pai do pós-modernismo”, lembrando que o próprio Philip Johnson, primeiro director do Departamento de Arquitectura do Museu de Arte Moderna de Nova Iorque (MoMA) se recordava de ter recebido Complexidade e Contradição com alívio e que o ensaio o ajudara a libertar-se da rigidez do modernismo.

Na biografia que lhe dedica o site do Prémio Pritzker, com que foi distinguido em 1991, Venturi explica o que pretendia com a edição do livro-manifesto: “Estávamos a clamar por uma arquitectura que promovesse riqueza e ambiguidade em vez de unidade e clareza, contradição e redundância em vez de harmonia e simplicidade.” Apesar de só ter casado com a arquitecta e urbanista Denise Scott Brown em 1967, um ano depois de ter escrito o manifesto, o plural utilizado aqui não é inocente, dado que o seu trabalho, fora e dentro do atelier, foi, em larga medida, feito a quatro mãos, em parceria com a mulher.

Quando lhe foi atribuído o Pritzker, aliás, defendeu que o prémio devia tê-la incluído como alvo da distinção. Denise, que mais tarde denunciou a decisão como sexista, não esteve na entrega do mais importante prémio de arquitectura na Cidade do México.

O valor do feio e vulgar

Embora Robert Venturi não gostasse do aspecto codificado que o pós-modernismo ganhou nos anos 80, a sua influência no movimento “é grande”, reconhece Jorge Figueira. “De facto, são suas as obras e os livros mais corrosivos. Ele e o Aldo Rossi, o segundo com Arquitectura da Cidade, publicado também em 1966, dão o mote para o que depois chamamos pós-modernismo. Rossi mais a partir de uma leitura da cidade e Venturi do edifício.”

Com Aprendendo com Las Vegas, o seu segundo livro escrito em parceria com Denise Scott Brown e Steven Izenour, publicado em 1972, defende-se a Las Vegas criada pelos casinos, a cultura pop, agora do ponto de vista da arquitectura: “É uma apologia da arquitectura ‘feia e vulgar’, onde o espaço, protagonista do moderno, é trocado pela análise dos ‘símbolos’ dos letreiros comerciais. Não ostentando o nome ‘pós-modernista’, Venturi dá as coordenadas centrais para o movimento.” Um dos seus edifícios mais conhecidos, a Guild House, um lar para idosos que inaugurou no mesmo ano do que a casa da mãe, era originalmente encimado por uma bela antena de televisão dourada.

“O Movimento Moderno estava quase bem”, respondia àqueles que o classificavam como pós-moderno, citando-se quando escreveu Complexidade e Contradição e nele a sua célebre pergunta – “A Rua Principal não está quase bem?”. Defendia “a vitalidade desordenada” da cidade.

No prefácio original de Complexidade e Contradição, lembra a biografia feita pelo Prémio Pritzker, Venturi escreveu: “Como arquitecto, tento ser guiado não pelo hábito mas por um sentido consciente do passado – pelo precedente, considerado de uma forma pensada. […] Como artista, eu escrevo sobre o que gosto: complexidade e contradição. Através daquilo de que descobrimos gostar – aquilo para que somos facilmente atraídos -, podemos aprender muito do que realmente somos.”

Talvez a mais “comovente” das lições de Venturi, como diz Jorge Figueira, que tem vários livros publicados sobre o pós-modernismo, é que o arquitecto só tem que fazer pequenas coisas, não tem que deitar abaixo e fazer tudo de novo. “Isso implica uma profunda alteração na postura do arquitecto.” De alguma forma, hoje, todos os arquitectos são herdeiros das ideias de Venturi, de Álvaro Siza a Rem Koolhaas.

Com Mário Lopes