Fraternidade, do Útero à velhice

Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta

No diário, escrevia apenas números. Sequências, assim: 22. 4. 23. 2. As horas a que adormecia, depois as horas a que acordava. O diário de uma insónia. São registos de uma zona inconsciente, “entre o sonho e o acordado”, a mesma área em que se dança Fraternidade, a nova criação da companhia Útero. Miguel Moreira, o encenador e fundador da companhia, partiu do “diário real de uma pessoa idosa” para pensar a primeira parte de um díptico, que se estreia exclusivamente esta sexta-feira, 14 de Setembro, às 21h, no Teatro Aveirense (sete euros).

Mas o diário foi só um ponto de partida. Não há — “de todo” — uma narrativa. “[Com o Útero] Nunca há.” Há uma linguagem; um teatro/dança; uma obrigação artística em fazer da “arte mais do que aquilo que as regras impõem” (a peça tem duas horas, “para quê todas terem 1h30?”). Há muitas vezes a água (nesta também) a jorrar pelos artistas e pelo palco, a sexualidade, a liberdade, o frio (os baldes contêm mesmo água gelada) e corpos nus.

Depois de Aveiro, Fraternidade — “talvez o elo mais forte que liga todos os seres humanos” — parte para o Festival GUIdance, em Fevereiro de 2019, no Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães. A ligação para a segunda parte da criação nasce da única mulher em palco, e personagem principal, Maria Fonseca. Somos “capazes de olharmos para um ser humano diferente de nós e aceitá-lo profundamente, sem tentar mudá-lo”? É como levar com um balde de água fria. “Espantemo-nos.” Renata Monteiro

Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Sugerir correcção