Há um festival novo em Lisboa e é Exquisito

Serão mais de 50 artistas que farão parte de uma programação que contará com música, artes visuais e performativas.

Foto
EVR - ENRIC VIVES-RUBIO

O mês de Setembro costuma trazer poucas novidades em termos de festivais mas, pela primeira vez, entre os dias 13 e 15, o bairro de Telheiras, pouco habituado a estar no epicentro da actividade cultural, será palco de um festival de criação artística emergente, lançado pela plataforma Gerador.

O mote da primeira edição “Depois das certezas absolutas, o que nos sobrará?” tem como única certeza o impulso criativo. Pedro Saavedra, director artístico do festival, quer transformá-lo num acontecimento de criação com raízes portuguesas e “dar total liberdade de expressão aos autores”. Serão mais de 50 artistas que farão parte de uma programação que contará com música, artes visuais e performativas.

Bleid e Clothilde actuarão no primeiro dia do festival. Joana Gama e Luís Fernandes vão estrear um concerto novo no segundo dia e Mário Redondo acompanhado de Mia Tomé, Miguel Ponte, Pedro Saavedra, Rui Miguel, Sofia de Portugal, mostram a sua nova peça “O fim do teatro”. Haverá ainda espaço para uma exposição de fotografia e uma mostra de trabalhos de vários instagramers, no interior de uma casa privada.

As actividades irão estender-se a dez espaços do bairro, incluindo a biblioteca Orlando Ribeiro e a estação de metro de Telheiras. 

O concerto de abertura ficará a cargo de Fado Bicha e a entrada é gratuita. O preço do bilhete para os três dias é de 15 euros e de oito euros para o bilhete diário. Às 18h30 de cada dia, o festival arrancará com uma iniciativa gratuita para o público.

Texto editado por Ana Fernandes