Jerónimo de Sousa diz que o PS "soçobrou ao PSD e CDS"

Secretário-geral do PCP inaugurou a 42ª Festa do Avante! com reparos aos socialistas e aos partidos da direita sobre a legislação laboral.

Fotogaleria
Jerónimo de Sousa inaugurou a 42ª Festa do Avante! Miguel Manso
Fotogaleria
Festa começou esta sexta-feira à tarde Miguel Manso
Fotogaleria
Comunistas estarão reunidos na Quinta da Atalaia até domingo Miguel Manso
Fotogaleria
Jerónimo voltará a discursar no último dia do certame comunista Miguel Manso

As críticas ao Governo PS estiveram presentes no discurso de abertura Jerónimo de Sousa na 42ª Festa do Avante!, que nesta sexta-feira abriu as portas na Quinta da Atalaia, no Seixal, terminando no próximo domingo.

O secretário-geral do PCP afirmou que “não deixa de preocupar" que o Governo PS, “numa questão tão relevante como é a legislação laboral, tenha soçobrado, melhor dizendo, acordado com PSD e CDS matérias como a caducidade da contratação colectiva, a manutenção da precariedade e a desregulação dos horários, tal como a transferência de competências para as autarquias”.

Jerónimo de Sousa disse ainda que “os défices estruturais existentes na produção nacional, nos sectores alimentar e energético, no plano demográfico, o agravamento da situação na saúde, na educação, na cultura, nos transportes públicos precisam de respostas estruturais”.

Problemas que, segundo o líder comunista, “continuam a ser ampliados pelas consequências da submissão às imposições da União Europeia” e que “não podem ilibar os governos de turno, que rodaram durante quatro décadas na execução da política de direita”.

“Ouvir choros e lamentos do PSD e CDS face à situação nos serviços públicos é, como diz o nosso povo, ‘atirar a pedra e esconder a mão’, procurando rasurar da memória as responsabilidades que também têm na sua degradação”, acrescentou.

Jerónimo de Sousa diz ainda saber que “enquanto o país não se libertar dos dogmas e imposições da União Europeia e da política de direita que na sua génese tem como objectivo privilegiar e manter intocáveis os interesses do capital monopolista, o caminho do progresso continuará a ser bloqueado”.

“Sim, sabemos que a intervenção e os combates que travamos terão tanto mais êxito quanto mais os trabalhadores lutarem, partindo da justeza dos seus objectivos, dos seus anseios, de defesa e conquista de direitos, luta que não é delegável a quem quer que seja, mas que reclama compromisso das forças políticas. E esse compromisso o PCP assume-o”, salientou.

Quanto à Festa do Avante!, Jerónimo diz não a considerar “um ponto de partida, antes um ponto alto” da “acção e intervenção quotidiana” do PCP e um “momento ímpar” que “dá mais força e confiança” para o partido “prosseguir os combates necessários que resultam da actual fase da vida política nacional”.

A concluir, e como sempre acontece, declarou aberta “a 42ª Festa do Avante!”. Jerónimo de Sousa volta a discursar no domingo na sessão de encerramento do certame comunista.