PCP quer ouvir Mário Centeno no Parlamento por causa da Caixa

Comunistas querem que ministro preste esclarecimentos sobre "opções políticas" relacionadas com a Caixa Geral de Depósitos.

Mário Centeno
Foto
Mário Centeno Miguel Manso

Os deputados Paula Sá e Miguel Tiago, do PCP, escreveram à Presidente da Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, a social-democrata Teresa Leal Coelho a requerer uma audição com o Ministro das Finanças para prestar esclarecimentos sobre as opções políticas do Governo relacionadas com a Caixa Geral de Depósitos.

No centro das preocupações está a recente denúncia do acordo de empresa por parte do seu conselho de administração, o que resulta na perda de direitos conquistados, entre os quais as promoções por antiguidade e por mérito, as anuidades, o subsídio de trabalho por antiguidade, o acréscimo de dias de férias em função dos anos de serviço e a assistência médica e cuidados de saúde.

"A denúncia do Acordo de Empresa constitui um ataque aos direitos dos trabalhadores e à contratação colectiva, um direito consagrado constitucionalmente", lê-se no texto do requerimento a que o PÚBLICO teve acesso.

Para o PCP, a estratégia adoptada para a CGD "não serve os interesses das populações, nem os interesses públicos" e o "Governo, no quadro das suas competências tem de assumir as suas responsabilidades, traçando orientações e adoptando medidas que defendam o banco público, o fortaleçam e permitam o crescimento da sua actividade, seja no apoio às populações, seja no contributo para o desenvolvimento da economia nacional".