Opinião

O entãosismo

Os "entãosistas” não pretendem que as suas ideias sejam mais úteis ou verdadeiras, mais libertadoras, mais instrutivas ou mais honestas. Pretendem apenas desviar o assunto daquilo que mais os incomoda.

Imaginem que se escreve sobre Orbán. Razões não faltam. Orbán manda cessar a alimentação dos requerentes de asilo de forma a que a fome os impeça de usarem o seu direito de recurso nas decisões judiciais que os afetam. A Universidade da Europa Central, em Budapeste, vê-se forçada a suspender todos os programas com refugiados por causa da nova lei húngara que pune com impostos extorsionários as organizações que ajudem refugiados, incluindo com assistência jurídica. Para completar, Orbán vai a Itália e promove a exportação das suas táticas para violar os valores com que o seu governo se comprometeu através dos tratados europeus.

A resposta não se faz esperar: “então e quando escreves sobre Nicolás Maduro e o desastre em que se tornou a Venezuela?”. Um tipo lá assinala que já escreveu (e voltará a escrever) sobre Nicolás Maduro e o desastre, aliás mais do que anunciado e doloso, em que Maduro e Chávez antes dele transformaram a Venezuela. Poderia até dizer que já não são de hoje os avisos sobre a demagogia, o autoritarismo e culto da personalidade que na Venezuela não poderiam deixar de dar em desastre — porque dão sempre em desastre (no meu caso poderia até acrescentar a autoria e a aprovação de resoluções condenando as violações de direitos humanos na Venezuela ou defendendo as liberdades políticas no país). Mal o faça, porém, célere vem o desafio: “então e os crimes do capitalismo? quando é que vão ser denunciados, julgados e condenados os crimes do capitalismo?”.

Boa pergunta. Antes de respondermos a essa, lá virá alguém com: “então os crimes do socialismo?”. E logo depois “então e os crimes do catolicismo?”. Não, espera, antes haveria que responder a “então e os crimes dos islamistas?”. E por aí adiante.

Se às vezes parece que boa parte daquilo que passa por debate público, na imprensa e nas redes sociais, é uma repetição infindável deste esquema — é porque é verdade. Em inglês há uma palavra para isto: o whataboutism. A wikipédia define o whataboutism como “uma variante dos argumentos tu quoque”, da expressão latina que significa “tu também”. Diz a wikipédia que o whataboutism é praticamente uma “ideologia nacional na Rússia de Putin”, que no entanto já tinha sido desenvolvida na União Soviética, onde a réplica “e na vossa terra há linchamentos de negros” era uma resposta corrente — tanto mais eficaz quanto verdadeira, diga-se — a qualquer crítica dos EUA à trágica situação das liberdades na URSS. Se assim é, a disseminação generalizada do whataboutism no comentário público e nas redes sociais é uma prova do triunfo metodológico de Putin. Digo metodológico, e não ideológico. Pode não haver muita gente a querer viver como na Rússia de Putin, mas não há praticamente recanto no espaço público que não esteja dominado pela sua forma de discutir.

E esse é precisamente o objetivo daquilo que decidi traduzir em português por “entãosismo”. Os "entãosistas” não pretendem que as suas ideias sejam mais úteis ou verdadeiras, mais libertadoras, mais instrutivas ou mais honestas. Pretendem apenas desviar o assunto daquilo que mais os incomoda: que alguém tenha o topete de chamar a atenção para os crimes e as violações de direitos humanos que são levados a cabo pelos seus ídolos políticos.

Com isso perverte-se e corrompe-se uma bela palavra. Sim, porque é útil e importante iniciar uma pergunta com “então e?” e é bom fazê-lo para desmascarar um hipócrita. Mas quando o debate é só isso, enfim, os “entãosistas” logram uma vitória tática às custas de um fracasso intelectual e moral — deles e para nós todos.

É possível ser-se conservador, liberal ou socialista e ser-se decente, honesto e inteligente. Vou mais longe mesmo e direi que é por serem decentes, honestas e inteligentes que a maior parte das pessoas de quem discordo pensam como pensam — e ainda bem. Mas não é possível ser um “entãosista” e ser-se intelectualmente honesto. Qualquer pessoa que queira dar um contributo ainda que pequeno à humanidade precisa de crescer para lá do entãosismo e tratar os entãosistas com o escárnio que eles merecem.