Crónica

Sauna forçada num alfa pendular

O ar condicionado não funcionava como não funcionam as portas das casas de banho, como falta a água e papel, como há sistemáticos atrasos, como há bancos a ficar rotos. A CP é a prova da penúria do Estado que diz ter virado a página da austeridade.

Há uns 20 anos fiz uma viagem num comboio indiano que me prometia uma carruagem de primeira classe e um indispensável ar condicionado para sobreviver às altas temperaturas do subcontinente. A classe revelou-se depressa nas molas que sobressaíam dos bancos e o ar condicionado não passava de uma ventoinha ferrugenta que ao primeiro giro levantou uma irrespirável cortina de poeira. Nos alfas pendulares de Portugal em 2018 não há ventoinhas e a poeira é residual, mas a falta de ar condicionado num dia de calor como o deste sábado é capaz de tornar uma viagem entre o Porto e Lisboa tão insuportável como essa travessia épica do estado de Gujarat. Que o estado do material circulante da CP se tornara num emblema da irresponsabilidade política já o sabíamos; a falta condições mínimas de conforto na superestrela dos comboios portugueses torna essa constatação ainda mais violenta.

O comboio partiu do Porto às 13h50 e o calor começou por ser suportável, porque se acreditava que, com o andamento, a situação acabaria por melhorar. Não foi isso que aconteceu. O indicador de temperatura interior jamais deixaria de aumentar até chegar aos 30 graus. O ar ficou denso e pesado com o suor. Os leques improvisados com jornais tornaram-se moda. A impaciência e a irritação constituíram-se em direito. À passagem por Santarém, só a expectativa do final daquele inferno parecia apaziguar os passageiros. Depois o comboio começou a parar (por problemas com a sinalização, disseram) e aquele atraso de 25 minutos bastou para que um sentimento de fúria latente se fosse sobrepondo ao estoicismo e à resignação. Em Lisboa, as portas abriram-se e uma mulher desabafou: “Já não aguentava mais um minuto.”

Outrora, nas minhas viagens na Linha do Douro, ao menos podiam-se abrir as janelas e as portas, pôr a cabeça ao vento ou procurar um assento nas escadas das portas. Nos alfa, não. O seu desenho futurista e a velocidade de circulação para a qual foram projectados proíbem essa defesa natural. É por isso que a falha no ar condicionado que se tem vindo a repetir nos últimos dias (ontem um alfa para o Porto teve de fazer um transbordo) só pode ser vista como um acto de negligência dolosa. Está calor a mais? Ora, não nos venham dizer que essas máquinas e essas carruagens foram apenas projectadas para os países nórdicos. O ar condicionado não funcionava como não funcionam as portas das casas de banho, como falta a água e papel, como há sistemáticos atrasos, como há bancos a ficar rotos. A CP é a prova da penúria do Estado que diz ter virado a página da austeridade.

Como várias notícias do PÚBLICO têm provado, a degradação da qualidade de serviço da CP não resulta de um acidente nem acontece por inevitabilidade. Há opções políticas que a determinaram e um ministro que as subscreveu. Chama-se Pedro Marques. Era bom que nos explicasse por que razão um serviço público de primeira necessidade como o da CP está a ser destruído com tanto zelo e competência.