ONU "está a ficar sem dinheiro", alerta António Guterres

Secretário-geral das Nações Unidas pede aos países para pagarem atempadamente as contribuições devidas.

António Guterres, secretário-geral da ONU
Foto
António Guterres, secretário-geral da ONU Reuters/Juan Carlos Ulate

As Nações Unidas estão perto de ficar sem dinheiro, alertou António Guterres, secretário-geral, numa carta enviada na sexta-feira aos embaixadores dos países membros da organização. Em causa estão "atrasos no pagamento" das contribuições devidas pelos Estados à ONU.

Na carta, Guterres fala numa "situação financeira problemática". “Os nossos recursos financeiros nunca estiveram tão em baixo tão cedo”, disse.

Dos 193 países com assento na organização, apenas 112 pagaram as suas contribuições atempadamente. Em resultado, faltam 139 milhões de dólares (cerca de 119 milhões de euros) ao orçamento da ONU. Até ao fim de Junho, as contribuições somaram 1,49 mil milhões de dólares; em 2017, no mesmo período, cifravam-se em 1,70 mil milhões.

A dívida somada e continuada dos 81 países cifra-se actualmente em 810 milhões de dólares (695 milhões de euros), de acordo com dados da própria ONU.

“Solicitei aos Estados membros que pagassem suas contribuições a tempo e integralmente”, escreveu Guterres, sublinhando que, se tal não acontecer, as operações da organização e a sua “reputação” podem estar em risco.

Numa conferência de imprensa na sede da ONU, o porta-voz de Guterres, Stéphane Dujarric, disse entender que os Estados tenham anos fiscais diferentes, mas salientou que a ONU não tem margem financeira e que depende destas contribuições. Disse ainda que o secretariado da ONU iria procurar formas de reduzir a despesa da organização, tentando contudo evitar despedimentos.

Em Dezembro, ficou acordado que o orçamento para 2018/2019 seria de 5,4 mil milhões de dólares, escreve o britânico Guardian

Entre o lote de países devedores encontram-se os EUA (que são responsáveis por 22% do orçamento, mas que costumam pagar mais tarde devido ao seu calendário fiscal próprio), a Argentina, a Síria, a Venezuela e a Bielorrússia.

Apesar das dívidas à ONU poderem ser punidas com a perda de direito de voto, apenas a Líbia foi alvo desta sanção até ao momento.