Governo nomeia militante envolvido na falsificação de fichas do PS para administrador

João Paredes é vogal da administração do Centro de Medicina de Reabilitação da Região Centro.

Partido politico
Foto
O novo administrador é dirigente da distrital do PS de Coimbra Rui Gaudêncio

Um dos novos administradores que o Governo nomeou para o Centro de Medicina de Reabilitação da Região Centro, antigo Hospital Rovisco Pais, António João Paredes, é um militante socialista que esteve envolvido no processo de fichas falsas do PS de Coimbra, denunciado em 2012 por Cristina Martins, na altura secretária coordenadora da secção da Sé Nova do partido.

João Paredes, arguido no processo de falsificação de documentos, num total de 57 fichas de inscrição no PS com o objectivo de beneficiar o candidato Pedro Coimbra (hoje deputado), que concorria à liderança do PS de Coimbra contra Mário Ruivo, não chegou a ir a julgamento. Em 2016, o Ministério Público determinou a suspensão provisória do processo de fichas falsas de militantes do PS, apesar de ter concluído que 18 militantes terão cometido o crime de falsificação.

As partes envolvidas no processo – Ministério Público, arguidos e a assistente (a militante que denunciou o caso) – acordaram a suspensão do processo, aprovada pelo Tribunal de Instrução de Coimbra, em Fevereiro de 2016. Os 18 arguidos não foram a julgamento, mas ficaram obrigados ao pagamento de quantias a associações e instituições ou ao cumprimento de trabalho comunitário.

Militante do PS na Figueira da Foz e dirigente da distrital do PS de Coimbra, o novo administrador do Centro de Medicina de Reabilitação da Região Centro é formado em Ciências Sociais e tem uma pós graduação em Gestão de Saúde. A trabalhar actualmente na Associação de Informática da Região Centro (associação que produz software para a administração local), João Paredes diz que o convite para a administração do antigo Hospital Rovisco Pais é um regresso à saúde, uma área que conhece bem. João Paredes foi assessor de Manuel Pizarro quando este foi secretário de Estado-adjunto da Saúde.

 A nomeação da nova administração do Centro de Medicina de Reabilitação, presidida pela médica fisiatra Margarida Sizenando Cunha, aconteceu dois dias antes de o Tribunal de Coimbra ter condenado dois antigos dirigentes do PS de Penela, Renato França (ex-presidente da concelhia de Penela) e Rui Horta (antigo secretário coordenador), que estavam acusados de falsificação e contrafacção de documentos na forma continuada.

O tribunal condenou cada um dos arguidos a pagar 2500 euros. A acusação estendia-se às eleições de 2013, em que António José Seguro derrotou Aires Pedro na corrida para o cargo de secretário-geral do PS. Segundo o Ministério Público, os arguidos introduziram nas urnas boletins desses militantes e forjaram a sua assinatura nos cadernos eleitorais.