Fenprof ameaça surpreender governantes durante as férias, em sítios públicos

"Vamos começar no primeiro dia de aulas e tudo faremos para que não haja aulas ao abrigo da lei sindical, não com greve, não com mais esforço financeiro, [mas] com plenários e reuniões no país inteiro”, afirmou ainda Mário Nogueira.

Bigode
Foto
Nuno Fox/Lusa

Concentração de professores em várias capitais de distrito, aprovação de posições e promessa de continuação de luta no próximo ano lectivo. Esta sexta-feira é dia de protestos na educação. As hostilidades foram abertas pelo secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), Mário Nogueira, esta manhã. Onde lembrou o já anunciado leque de medidas que marcarão o arranque do ano lectivo: “Os professores farão greve na primeira semana de Outubro” e o primeiro dia de aulas “será sinalizado com luta e realização de plenários”.

Mário Nogueira avisou ainda que os governantes da Educação ou o primeiro-ministro poderão ser confrontados durante o “mês de Julho, ou de Agosto, que são meses de férias” em sítios públicos.

“Temos de voltar em Setembro com a força toda que temos usado até agora. Vamos começar no primeiro dia de aulas e tudo faremos para que não haja aulas ao abrigo da lei sindical, não com greve, não com mais esforço financeiro, [mas] com plenários e reuniões no país inteiro, com a distribuição de um texto à população”, anunciou Mário Nogueira numa manifestação de docentes agendada para aguardar a chegada da secretária de Estado Adjunta e da Educação ao município de São Pedro do Sul, para assinatura de um protocolo.

Alexandra Leitão antecipou, no entanto, a sua presença, acto que o sindicalista considerou como “covarde”. “Pena é que tenhamos governantes que, como vemos hoje, têm nos genes a covardia política”, afirmou Mário Nogueira, lamentando que a secretária de Estado não tenha dito aos presentes se se comprometia ou não com os professores a resolver o problema, assumiu.

O autarca, Vítor Figueiredo, justificou a antecipação da assinatura do protocolo em hora e meia, referindo que a secretária de Estado tinha de estar às 12h30 em Lisboa para uma conferência do grupo parlamentar. O protocolo visa uma intervenção no valor de 1,1 milhões de euros na Escola Secundária de São Pedro do Sul.

A luta continuará, lembrou o sindicalista, na semana do 5 de Outubro, Dia Mundial do Professor, “com uma semana de greve de segunda a quinta, porque sexta-feira é feriado” ainda que o “modelo da greve não esteja definido”.

“Não estivemos ainda a ver se será greve de quatro dias para todos, ou se será outro modelo, mas essa é a semana decisiva na negociação entre os partidos e o Orçamento de Estado para 2019, porque aí tem de estar a verba para o primeiro momento da recuperação do tempo de serviço”, avisou.

Recorde-se que ao contrário da plataforma sindical que inclui a Fenprof, e que retomou esta semana as negociações com o Governo sobre a recuperação do tempo de serviço congelado para efeitos de progressão nas carreiras, o Sindicato de Todos os Professores (Stop) manteve o pré-aviso de greve às reuniões de avaliação até ao final deste mês. Esse protesto pode impedir a conclusão do ano lectivo.