O Partido Popular em risco de guerra civil

O congresso poderá mudar o sentido do voto dos militantes mas suscitando um “choque de legitimidades”.

Soraya Sáenz de Santamaría, Espanha, Partido Popular
Foto
Soraya Saénz de Santamaría EPA / ZIPI

O resultado das primárias de quinta-feira abre o mais perigoso cenário para o Partido Popular (PP). Depois de ter perdido em 2015 metade do seu eleitorado e de os escândalos de corrupção o terem expulsado do poder, corre o risco de um choque de legitimidades propício a cenário de “guerra civil”. Além de socialmente desprestigiado, o PP tem um concorrente apto o ocupar o seu espaço político, o Cidadãos, de Albert Rivera. Esta disputa excede em muito as lutas intestinas.

O azar começa no modelo das primárias que escolheram. Na primeira fase, os militantes votavam num candidato à liderança e, noutra urna, elegiam os delegados ao Congresso de 20 e 21 de Julho. Um líder só seria eleito na “primeira volta” com mais de 50% dos votos e 15% de vantagem em relação ao segundo e, ainda, com a vitória em 60% das regiões. Tal não acontecendo, seria eleito pelos mais de 3000 delegados ao Congresso, 522 deles por inerência. Este modelo foi feito a pensar numa “candidatura única”. Poderia servir para eleger o presidente galego, Alberto Feijóo. Ele não se candidatou, o que desencadeou a corrida entre as “generalas” inimigas, Soraya Saénz de Santamaría e Maria Dolores de Cospedal. Perante a indecisão de Feijóo e o tempo de espera das “generalas”, adiantou-se um terceiro nome, Pablo Casado.

Santamaría venceu a primeira ronda com uma curta vantagem sobre Casado. Isto abre caminho a que sejam os delgados de Cospedal a decidir na “segunda volta”. Seria Cospedal a kingmaker a exercer a vendetta. O congresso poderá mudar o sentido do voto dos militantes mas suscitando um “choque de legitimidades”. Isto aconteceu em 2017 na Cantábria e a direcção eleita ainda hoje não é reconhecida por metade do partido local. Uma eleição a duas voltas só funciona bem se o corpo eleitoral for o mesmo. 

O congresso foi concebido como uma “coroação”. Vai ser um campo de batalha. Há pressão dos “notáveis” para que Casado aceite uma candidatura comum com Santamaría. Seria a via de saída. Mas não é provável. Desde já, incentivado por Cospedal, Casado está a tentar organizar uma frente comum contra Santamaría. Na imprensa dominam títulos como: “O resultado das primárias leva o PP a uma guerra ainda maior”; “Cenário letal para os populares”; “Não haverá paz no PP”.

Há ideias?

A própria “primeira volta” espelhou a crise do PP. Este reivindicava, com base num censo antigo, mais de 800 mil membros. Para votar, inscreveram-se 66.700 pessoas. É o núcleo duro do partido, os chamados “populares praticantes”. A própria distribuição regional dos delegados, com base no velho censo, é altamente contestável. Os militantes manifestam uma chocante indiferença. O PP foi educado no princípio do dedazo: o líder designa o sucessor.

Que separa os vários candidatos? Um dos vencidos, o antigo ministro García-Margallo, exigia um debate de ideias e de estratégias. Não houve, como antecipadamente se sabia, nenhum debate. As clivagens são em grande medida pessoais. Casado é apoiado por José-Maria Aznar, que não desiste de exercer um “controlo remoto” sobre o partido. Mais uma vez trata-se de guerras de clãs. 

Casado apelou sobretudo aos sentimentos e à sua imagem de juventude: tem 37 anos. Logo, seria o mais apto a conduzir a renovação. Santamaría invocou a experiência e o facto de os eleitores a preferirem aos outros, ser a “melhor candidata eleitoral”. As sondagens confirmam-no mas o que parece estar em causa é outra coisa, o domínio do partido. Casado tem muitas probabilidades de vencer. Mas arrisca-se a ser visto como o líder “que perdeu entre os militantes”. 

O destino da direita

O PP enfrentará em 2019 eleições autonómicas e locais e não se sabe se legislativas. Neste cenário, Santamaria, Casado e Cospedal teriam um “inimigo natural”: Albert Rivera. O Cidadãos roubou ao PP “o monopólio de todo o espaço político situado à direita da esquerda”, observa El Confidencial. É neste terreno que se joga o seu futuro. O regresso ao bipartidismo parece uma ilusão. Tanto o Podemos como o Cidadãos parecem ter vindo para ficar. Mas para o PP é vital manter a superioridade eleitoral perante Rivera e para isso precisa de encontrar um “antídoto” e de recuperar eleitores perdidos. Nas previsões pessimistas, uma “guerra civil” pode incentivar nova hemorragia.

A força do PP assentava na agregação das várias direitas. Fernando López-Agudin, colunista do diário digital Público, anota que, com a entrada em cena do governo de Pedro Sánchez, “as três direitas entraram em processo de fragmentação”. Fala na “direita económica”, na “política” e na “social”. Para outros autores, a “direita sociológica” agruparia conservadores, liberais e democratas-cristãos. Era a sua fusão que permitia a hegemonia do PP sobre todo o centro-direita. É o que hoje está em causa. Mas o problema do PP não é apenas o Cidadãos.

López-Agudin teme que uma desintegração do PP abra caminho a uma extrema-direita, ainda incipiente em Espanha. “O que alguns ‘progressistas’ mais desejariam seria mandar o Partido Popular para os infernos eleitorais. Seria uma grave erro”, análogo ao de Mitterrand com a sua política de dividir a direita favorecendo Jean-Marie Le Pen.

Conclui: “Nada seria mais lesivo. A sociedade espanhola necessita que o centro-direita saia o menos ferido possível, como partido político, da corrupção que o expulsou do poder.”

Deste ponto de vista, os candidatos não estão a ajudar o Partido Popular.