Especialistas alertam para a urgência de controlar as acácias, as plantas que “nascem para arder”

Controlo da espécie invasora "reduziria imenso o risco de incêndio em Portugal” e traria ganhos na diversidade de espécies.

Carro, asfalto, superfície da estrada
Foto
Mimosas no troco da IP5 que liga Viseu Norte a A25, em Março Adriano Miranda

Distinguem-se pelas flores amarelas, que criam longas manchas de vegetação comuns na beira das estradas. As acácias são uma das espécies invasoras mais agressivas existentes no país e “a invasão” de que o país é alvo há vários anos surpreendeu as especialistas sul-africanas que durante a semana passada estiveram em Portugal, a convite da Estrutura de Missão para a Gestão Integrada de Fogos Rurais. Alertam o Governo para a urgência de criar um programa de controlo, para garantir a conservação de espécies nativas e reduzir o risco de incêndio.

“Este é um grande problema, porque estas plantas do sul da Austrália nascem para arder. Quanto mais ardem, mais novas plantas nascem”, sublinha Val Charlton, especialista em conservação da natureza, defendendo que o seu controlo "reduziria imenso o risco de incêndio em Portugal". E traria ganhos na diversidade de espécies (a que se associa um aumento do potencial turístico), pois a disseminação cerrada das acácias impede que outras plantas sobrevivam no mesmo local e reduz os fluxos de água.

“Elas estão a invadir o país e só vai ficar pior e pior, se nada for feito”, sentencia igualmente Tessa Oliver.

O aviso é há vários anos feito pelos ambientalistas. Ainda no ano passado a Quercus alertou para o facto desta espécie, principalmente as mimosas (Acácia dealbata) e as acácias-de-espigas (Acacia longifolia), ocuparem “já milhares de hectares em Portugal”, constituindo uma “séria ameaça em diversas áreas protegidas”, como o Parque Nacional da Peneda-Gerês e a Reserva Natural das Dunas de S. Jacinto.