Reino Unido anuncia proibição das terapias de reorientação sexual

Dois em cada três entrevistados para um estudo disseram que evitam apertar a mão do parceiro em público por medo de uma reacção negativa.

Theresa May, Reino Unido, Brexit, negociações Brexit
Foto
Henry Nicholls/Reuters

O Governo do Reino Unido anunciou nesta terça-feira que proibirá as terapias de reorientação sexual como parte de um novo plano de acção para uma sociedade mais inclusiva para com lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais.

O executivo da conservadora Theresa May lançou uma iniciativa em defesa dos direitos LGBT com um orçamento de 4,5 milhões de libras (cinco milhões de euros).

Mais de 108 mil pessoas LGBT participaram numa pesquisa do Governo para desenvolver o programa. Destes, 2% admitiram ter participado em terapias de conversão sexual e 5% disseram que estas lhe foram oferecidas.

"Consideraremos todas as opções legislativas e não legislativas para proibir a promoção ou a oferta de terapias de conversão", diz o plano de acção do Governo.

Dois em cada três entrevistados disseram que evitam apertar a mão do seu parceiro do mesmo sexo em público por medo de uma reacção menos positiva, enquanto 23% disseram que seus colegas responderam negativamente à sua homossexualidade.

Theresa May disse que o Reino Unido "pode sentir-se orgulhoso por ser líder mundial" em direitos LGBT e sublinhou que o resultado da pesquisa permitiu-lhe ver quais são as áreas em que se pode melhorar a vida desse colectivo.

"Ninguém jamais deve esconder quem é ou quem ama", disse May antes de enfatizar que o plano do governo envolve "passos concretos" para alcançar uma mudança "real e duradoura" na sociedade.