Entrevista

A poesia electrónica de Lucrecia Dalt não precisa de imagens

Sons digitais alienígenas, voz pausada e geociências estão presentes em Lucrecia Dalt, uma colombiana a viver em Berlim, que vem apresentar o novo álbum numa minidigressão por Porto, Bragança, Lisboa e Viseu.

Lucrecia Dalt, Anticlines
Foto
"A música deve conter uma certa poesia por si própria sem o recurso a imagens." Lucrecia Dalt

Ao telefone a voz é calma, exactamente como no álbum Anticlines, que vem agora mostrar a Portugal. Desde 2006 que Lucrecia Dalt, 38 anos, colombiana a residir em Berlim, lançou seis álbuns e nem todos com as mesmas características. Na fase inicial do seu percurso, apesar do experimentalismo, ainda existia uma ligação com convenções da música pop. Com tempo foi-se aproximando das electrónicas abstractas e dos espaços ambientalistas, povoados por vezes pela sua voz falada quase sempre relaxada, enquanto os ritmos, quando acontecem, são lentos, circundantes e metalizados

Quem já a viu ao vivo sabe que, em palco, a voz adopta uma tonalidade solene, com ela a discorrer sobre presenças alusivas, enquanto o borbulhar electrónico e os ritmos sincopados se vão insinuando. Ao contrário de muitos outros projectos electrónicos que apostam em imagens, nos seus espectáculos não há lugar para tal. Esta sexta no Porto (Sonoscopia), a 4 de Julho em Bragança, a 6 em Lisboa (Galeria ZDB) e a 7 de Julho na Sé Catedral de Viseu, no contexto do festival Jardins Efémeros, não vai haver projecções vídeo. Apenas ela rodeada dos sintetizadores e processadores.

“A música deve conter uma certa poesia por si própria sem o recurso a imagens”, reflecte ela. “É possível criar um projecto consistente em que som e imagens façam parte do mesmo corpo artístico, mas não creio que tenhamos todos de operar da mesma forma. Não estou nesse registo. Não gosto de fórmulas. Não podemos partilhar entre todos o mesmo tipo de experiências.  No meu caso agrada-me essa ideia de que, ouvindo a música, cada espectador possa fechar os olhos e ir de encontro a qualquer coisa que lhe faça sentido. Colocar um ecrã por detrás de um músico acaba por impor algo que deve ser imaginação de cada um a criar.”

Na fase inicial do seu percurso tocava guitarra acústica. Agora são os sintetizadores modelares e os processadores que a interessam. “Independentemente das transformações que o meu trabalho foi sofrendo ao longo do tempo, seja nas abordagens ou nas ferramentas que utilizo, consigo encontrar uma curiosidade que é transversal a todos estes anos – a noção de tempo.” Sempre lhe interessou a forma como se pode expressar essa concepção através da música. “Como posso criar uma estrutura que sugere algo que se está a mover, que transporta qualquer coisa do passado, mas que flui no presente, esse tipo de coisas sempre esteve presente no meu trabalho, mesmo se de forma meio indefinida.”

Uma das coisas que mudou ao longo dos anos prende-se com a forma como se lança para cada um dos discos que foi fazendo. “No passado era-me relativamente fácil começar algo a partir do nada. Sentava-me com os instrumentos e improvisava. Não significa que não possa acontecer hoje, mas faz-me mais sentido pensar elementos, alguma narrativa, uma teoria, e só a partir daí imaginar a música e procurar possibilidades sonoras.”

PÚBLICO -
Foto
"Em algumas letras podem-se encontrar algumas alusões a conceitos geológicos, mas utilizados como metáfora, contexto e ambiente para a música." Lucrecia Dalt

Ela é formada em engenharia, com especialização na área de geotécnica, e esse facto parece não ser totalmente inocente no processo de feitura da música, embora prefira afirmar que a existir alguma influência ela é indirecta. A linguagem das geociências e da física quântica está presente, mas apenas como contexto. “Especialmente em algumas letras do meu último álbum podem-se encontrar algumas alusões a conceitos geológicos, mas utilizados como metáfora, contexto e ambiente para a música. No fim de contas, para lá disso, tudo o que me interessa interrogar são os limites da comunicação. Sabemos que o olhar, o toque ou a fala são importantes, mas existem muitos outros dados invisíveis que também o podem ser e interrogar todas essas fronteiras é o que me ocupa verdadeiramente.”

O material e o imaterial, o orgânico e o sintético ou a vida e a morte, acabam por estar reflectidos no seu último álbum, através do recurso a metáforas sobre a crosta terrestre, a matéria que a compõe, o seu mecanismo de formação e as alterações que ocorrem desde a sua origem e a estrutura que a sua superfície possui na actualidade. Depois existe a música, cuidadosamente construída, composições minimais que dão espaço a texturas subtis e a cadências tradicionais da infância longínqua na Colômbia trabalhadas até à sua quase indiferenciação. “Esses elementos da Colômbia estão lá mas totalmente diluídos, porque nunca parto de um processo consciente no sentido de misturar seja lá o que for”, justifica.

Se existe algo de que ela não tem livrado nas abordagens criticas ao último álbum, são as comparações com a americana Laurie Anderson, pela forma falada como introduz a voz sobre um manto atmosférico. Mas ela suaviza essa relação. “Oiço muito spoken word e consigo perceber porque é que as pessoas fazem esse tipo de analogias, mas no caso especifico de Laurie Anderson não creio que existam muitas similitudes, para além de ambas sermos mulheres. Ela é uma contadora de histórias. Não me vejo assim.”

As suas grandes referências parecem ser outras, como a compositora e música grega Lena Platonos e, especialmente, Robert Ashley (também citado por Laurie Anderson), o compositor, videasta e performer americano que morreu em 2014, deixando uma obra invulgar, pela forma como gravava as vozes e pela sensação de imersão que as suas peças produziam. “As pausas, a respiração, a tonalidade, enfim, tudo isso, era incrível e nesse sentido peças como Love letter e The park marcaram-me.”

Há onze anos deixou a Colômbia. Sentia que tinha de expandir horizontes. A Europa surgiu-lhe como a realidade que lhe fazia mais sentido. Viveu seis anos em Barcelona. Está há cinco em Berlim. Não está arrependida, mas sente que as perspectivas de futuro estreitaram-se no mundo Ocidental, apesar de passar por um momento de arrebatamento com a capital alemã. “Uma coisa é a nossa relação com o mundo, e a Europa passa realmente por uma fase de reorganização, outra é a vida pessoal, e depois de alguns anos a tentar organizar-me aqui, sinto que o consegui.” Depois de tantos anos fora da Colômbia diz que começa a perder o acento da língua original. “E dou por mim a pensar nessa coisa da identidade e o que significa, mas ao mesmo tempo estou focada no trabalho e sinto-me bem. Antes não tinha um lugar só meu. Agora posso dizer que assentei.”

Estabeleceu-se, mas do ponto de vista criativo, mantém-se inquieta. Basta ouvir Anticlines. A sonoridade parece movida por um lento pulsar cardíaco, numa sucessão de observações filtradas pela voz e electrónicas, numa espécie de poesia digitalizada, com ruídos, silêncio, sugestões subtis e espaços amplos. “Acho que a lentidão dos ritmos da minha música foi abrindo espaço para essa forma tranquila de dizer palavras e deixar entrar cada vez mais a imaginação”, conclui Lucrecia Dalt.