Susan Sarandon e mais de 570 pessoas detidas em protesto contra a política de imigração de Trump

Os protestos foram organizados por movimentos de mulheres. As detidas foram libertadas pouco depois. Sábado há mais manifestações.

Susan Sarandon, Estados Unidos, Donald Trump, protesto, demonstração
Fotogaleria
Susan Sarandon no protesto de Washingotn,Susan Sarandon no protesto de Washingotn Jonathan Ernst/REUTERS,Jonathan Ernst/REUTERS
Estados Unidos, Protesto
Fotogaleria
Reuters/JONATHAN ERNST
Kirsten Gillibrand, Danya Ruttenberg
Fotogaleria
Reuters/JONATHAN ERNST
Estados Unidos, protestos contra Donald Trump, protesto, demonstração, polícia
Fotogaleria
Reuters/JONATHAN ERNST
Mike Pence, Donald Trump, março de 2017 das mulheres, Capitólio dos Estados Unidos
Fotogaleria
Reuters/JONATHAN ERNST

A actriz Susan Sarandon, de 71 anos, foi uma das mais de 570 manifestantes foram detidos durante um protesto na quinta-feira contra as políticas de tolerância zero de imigração do Presidente dos EUA, Donald Trump, em Washington. Estão previstas novas manifestações, de maior dimensão, para sábado, sob o slogan "as famílias devem manter-se juntas".

A congressista democrata Pramila Jayapal foi igualmente detida. A senadora democrata Kirsten Gillibrand também esteve presente na manifestação, mas não se sabe se foi detida. 

As manifestantes vestiram-se de branco, algumas embrulharam-se em mantas térmicas aluminizadas, e sentaram-se no chão do edifício do Senado Hart Senate Office, perto do Capitólio. Entoaram cânticos ("O que queremos? Famílias livres!") e envergavam mensagens como “we care” (“nós preocupamo-nos”, em alusão ao casaco vestido pela primeira-dama Melania Trump antes de visitar centros de detenção de filhos de imigrantes ilegais, que tinha a frase “não quero saber. E tu?”).

PÚBLICO -
Foto
JONATHAN ERNST/REUTERS

A polícia avisou os manifestantes que faria detenções (alegando que se tratava de um protesto ilegal) se não abandonassem o edifício. Pouco depois, a polícia começou a dividir os manifestantes em grupos, encostando-os em linha contra a parede, identificando-os e confiscando as mantas térmicas e os cartazes. Demorou cerca de 90 minutos até terminar o protesto.

June 29, 2018/ ACTION ALERT TOMORROW: We Need YOU to March on Saturday">

Grande parte foi libertada pouco depois, e a polícia disse que seriam passadas multas – mas não se sabe ao certo quantas pessoas foram multadas ou qual o valor da coima. 

Alguns membros do movimento Women’s March (Marcha das Mulheres), que tem mobilizado anualmente milhares de pessoas em protesto contra Donald Trump, estiveram presentes na manifestação de quinta-feira. “Estamos a erguer-nos para exigir o fim da criminalização dos imigrantes”, disse uma das responsáveis pelo movimento, Linda Sarsour. A Women’s March dizia no Twitter que participaram 630 mulheres no protesto.

Uma das manifestantes ouvidas pela Reuters, Loretta Fudoli, apanhou um autocarro de Conway, no Arkansas, para Washington – as cidades distam mais de 1500 km entre si – só para participar no protesto. “Os pais [das crianças separadas] não deveriam sequer estar detidos”, argumentou Fudoli. “[Atravessar a fronteira ilegalmente] não é um crime suficientemente grave para os deter e para lhes tirar as suas crianças”.

Antes de chegar ao edifício, a marcha passou na Pennsylvania Avenue, parando em frente ao Trump International Hotel para gritar: “Vergonha! Vergonha! Vergonha!”.

O Presidente norte-americano Donald Trump tem enfrentado duras críticas pela forma como tem aplicado medidas contra a imigração ilegal, que separou centenas de crianças dos seus pais na fronteira: os pais eram levados para serem julgados e as crianças ficavam retidas em centros de detenção. Ainda que Trump tenha recuado na decisão de separar famílias, permitindo que fiquem todos detidos no mesmo espaço, o futuro das mais de 2000 crianças que já foram separadas ainda é incerto.