Eleições no CDS-Lisboa com candidato único

João Gonçalves Pereira recandidata-se a líder da distrital

Oficial executivo
Foto
João Gonçalves Pereira Enric Vives-Rubio

O actual líder da distrital do CDS-Lisboa João Gonçalves Pereira vai esta quinta-feira a votos como único recandidato ao cargo. O vereador lisboeta diz que tem como ambição fazer o partido crescer e assim aumentar o número de eleitos para a Assembleia da República nas legislativas de 2019.

“O grande objectivo deste mandato é que o CDS possa crescer em número de eleitos e de representantes na Assembleia da República. Já estamos a trabalhar nisso e vamos intensificar”, afirmou João Gonçalves Pereira, que é também deputado.

Nas últimas legislativas, o CDS elegeu (em lista conjunta da coligação com o PSD) cinco deputados em Lisboa. Com a expectativa de que esse número cresça, em 2019, o Gonçalves Pereira quer aumentar também o número de candidatos indicados para as listas pela estrutura local. 

A comissão de honra da candidatura é liderada pelo ex-ministro Pedro Mota Soares e é composta por militantes sem outros notáveis do partido. “O que eu conto é com as bases do partido”, afirmou João Gonçalves Pereira.

Dias depois das turbulentas eleições na distrital do Porto, o CDS-Lisboa dá um sinal de tranquilidade e de continuidade. Tanto na distrital como na concelhia - cujas eleições também se realizam esta quinta-feira, há um único candidato. No caso da concelhia, Diogo Moura candidata-se a mais um mandato, mantendo Adolfo Mesquita Nunes, vice-presidente do partido, como presidente do plenário da mesa. Telmo Correia, que é vice-presidente da bancada, mantém-se na lista única da distrital como candidato a presidente do plenário da mesa. Nas eleições desta quinta-feira podem votar 5800 militantes.