Prisa cai mais de 9% depois do fim da venda da TVI à Altice

As ações da Prisa estavam hoje a cair mais de 9%, depois da empresa espanhola ter confirmado numa comunicação enviada ao regulador do mercado espanhol a desistência do negócio da venda da Media Capital, dona da TVI, à Altice.

Gestão
Foto
daniel rocha

Cerca das 11h30 em Madrid, mais uma hora do que em Lisboa, as acções da Prisa estavam a cair 9,09% para 1,70 euros depois de terem mudado de mãos 900.570 "papéis" durante a sessão.

Na sexta-feira as acções tinham terminado a cotar-se a 1,87 euros.

A Prisa confirmou hoje a desistência do negócio para a venda da Media Capital, dona da TVI, à Altice numa comunicação enviada ao regulador do mercado espanhol.

Numa informação colocada esta manhã na Comissão Nacional do Mercado de Valores espanhola (CNMV), a empresa dona da TVI comunica a "rescisão do contrato de compra celebrado entre a Prisa e a subsidiária da Altice NV, a MEO - Serviços de Comunicação e a Multimédia, S.A. ("MEO"), relativo à transferência de toda a participação que a Prisa detém no Grupo Media Capital SGPS, S.A".

"Tal rescisão decorre de não ter sido cumprida a data final acordada pelas partes, a última das condições de suspensão que estavam pendentes de cumprimento, referente à obtenção, pela MEO, da obrigatória autorização da operação pela Autoridade da Concorrência portuguesa", refere ainda o comunicado enviado ao regulador espanhol.

No domingo, a TVI noticiou que a Prisa iria deixar cair o negócio de venda da Media Capital à Altice sem esperar pela decisão da Autoridade da Concorrência.

No dia 14 de Julho de 2017, a Prisa, anunciou em Madrid, em simultâneo com a Altice em Portugal, a venda a esta empresa da Media Capital, dona da TVI, por 440 milhões de euros, estando a concretização do negócio dependente da obtenção das autorizações legais do regulador.

No final de maio, a Autoridade da Concorrência (regulador) anunciou que tinha rejeitado os compromissos apresentados pela Altice para a compra da Media Capital por entender que "não protegem os interesses dos consumidores, nem garantem a concorrência no mercado".

Reagindo a esta decisão, a Altice Portugal manifestou discordância da posição do regulador, afirmando não estar disponível "para apresentar quaisquer outros" compromissos.

Já antes, o presidente executivo da Altice Portugal, Alexandre Fonseca, tinha afirmado no parlamento que há um "limite de razoabilidade" no processo de compra da dona da TVI, mostrando-se, no entanto, convicto de que o negócio iria ser concluído.

Agora, quase um ano depois de ter sido anunciado o negócio e após um longo impasse, a TVI deu conta da intenção do grupo espanhol de deixar cair a venda, depois de "vários adiamentos do prazo previsto para a concretização do negócio", uma informação que já tinha surgido na imprensa no final da semana passada.

"A recusa por parte da Altice em acrescentar mais remédios à Autoridade da Concorrência foi um dos pontos-chave que levou o maior accionista da TVI a abdicar da venda do seu activo em Portugal", segundo a notícia avançada pelo referido canal de televisão.

A mesma fonte disse à TVI que estão a ser consideradas outras alternativas a esta operação que mantenham o crescimento do grupo.

Fonte oficial da Prisa contactada no domingo pela Lusa disse que o grupo espanhol não tinha "comentários oficiais" a fazer.