Media Capital já não vai ser vendida à Altice

Prazo para a conclusão do negócio, que a Altice e a Prisa tinham acordado no contrato prévio de compra e venda da Media Capital, expirou nesta sexta-feira, dia 15 às 24h. Prisa vai repensar a estratégia para o grupo português de media.

Relações públicas
Foto
Foi em Junho do ano passado que o negócio foi apresentado em Lisboa daniel rocha

O negócio de compra da Media Capital pela Altice já não se vai realizar. O prazo para a conclusão do negócio expirou nesta sexta-feira, dia 15 às 24h. A Prisa manterá a empresa de comunicação social dona da TVI, para a qual vai delinear um novo plano estratégico, apurou o PÚBLICO.

Porém, nem a Media Capital nem a Prisa querem fazer qualquer comentário sobre o assunto. Foi essa a resposta dada neste sábado ao PÚBLICO pela empresa que detém a TVI e também pelo porta-voz do grupo espanhol.

A Altice anunciou a intenção de comprar os 94,69% da Media Capital a 14 de Julho do ano passado por 440 milhões de euros, como noticiou o PÚBLICO na altura. A Prisa iria receber apenas 321 milhões de euros. O negócio está a ser analisado pela Autoridade da Concorrência em análise aprofundada e o regulador deve pronunciar-se na próxima semana.

Depois de a Autoridade da Concorrência ter rejeitado os remédios apresentados pela Altice há quase três semanas, o prazo para que o negócio fosse concluído expirou à meia-noite desta sexta-feira.

A Altice e a Prisa tinham acordado, no contrato prévio de compra e venda da Media Capital que o negócio tinha que estar concluído até 13 de Abril, mas depois adiaram a data para 15 de Junho. Como a Altice não se mostrou interessada em apresentar novos remédios à Autoridade da Concorrência nem pediu à Prisa prolongamento do prazo, e nem o regulador deu a sua resposta final, o grupo espanhol entende que o negócio chegou ao fim.

A verdade é que este desfecho poderá não ser assim tão desastroso para a Prisa. De acordo com uma fonte ligada à operação, o grupo espanhol, que renegociou a sua dívida há uns meses, tem agora melhores expectativas do que há um ano, quando procurava desesperadamente um comprador para a Media Capital.

Neste último ano, a conjuntura económica melhorou, os resultados do grupo português que detém, entre outros activos, a TVI e a produtora Plural, também melhoraram, assim como a avaliação global das diversas empresas que compõem a Media Capital. Ou seja, já não será preciso vender a correr.

Em 2017, apesar de ter registado uma quebra de 5% nas receitas (facturou um total de 165,46 milhões de euros), a Media Capital conseguiu aumentar os lucros em 4%, para 19,787 milhões de euros - os seus melhores resultados na última década. Como? Cortando nas despesas.

De acordo com o site espanhol El Confidencial, que cita os dados do regulador de mercados espanhol, a Prisa tinha a 31 de Março deste ano uma dívida bancária total de 817,9 milhões de euros. Em Dezembro, a dívida total era de 1424,1 milhões de euros.

Há já em cima da mesa da Prisa um conjunto de opções para a Media Capital que passam por parcerias estratégicas que não incluem a venda pura e simples.

Aliás, o PÚBLICO apurou que a venda tal como estava prevista com a Altice já não está sequer nos planos do grupo espanhol. A Prisa vai agora delinear um plano estratégico para a Media Capital e para as diversas empresas que a compõem.