Opinião

Tabagismo: uma campanha oportuna

Uma iniciativa que pode levar a ganhos de saúde nas pessoas jovens do sexo feminino não pode ser contra as mulheres.

Quando eu tinha 20 anos – a idade mais bela da vida, dizem... –, os rapazes fumavam para impressionar as raparigas, os atores de cinema exibiam os cigarros antes e depois das conquistas e ninguém sabia como o tabaco fazia mal. As mulheres fumavam pouco ou nada e até se dizia, há 50 anos, que uma senhora distinta nunca poderia fumar na rua ou puxar de um cigarro no final de um jantar. Em Inglaterra, os homens ficavam a fumar e a beber brandy, enquanto as senhoras abandonavam a sala de jantar para os deixar à vontade a fumar e a beber. Em Portugal, a maioria das alunas universitárias não fumava e aquelas que o faziam poderiam ser criticadas.

Muitos anos passaram e é hoje conhecido como o tabaco faz muito mal. A evidência científica demonstra que, em Portugal, o tabagismo tem forte impacto na mortalidade: em 2016 terão morrido quase 12.000 pessoas por doenças atribuíveis ao tabaco (10,6% do total de óbitos). Vários tipos de cancro, com destaque para o do pulmão (um dos mais graves), estão relacionados com a dependência tabágica. Em muitos doentes que fumaram durante toda a vida, a insuficiência respiratória resultante de anos de exposição ao fumo conduz, nos anos finais de vida, a grandes limitações no quotidiano.

Durante muitos anos pensou-se que estar ao lado de fumadores não teria grande importância, desde que não se ousasse fumar. Ainda me lembro de comentadores liberais se insurgirem contra as campanhas para evitar o fumo em recintos fechados onde estivessem outras pessoas não fumadoras. Ignoravam como a investigação tinha demonstrado a presença, na urina dos denominados fumadores passivos, de um metabolito da nicotina chamado cotidina. Este dado permitiu perceber que estar ao lado de um fumador determina riscos para a saúde e que deveremos proteger os mais vulneráveis, sobretudo as crianças e os doentes, da inalação de fumo de tabaco.

Passos significativos foram dados em Portugal com a Lei 37/2007, que regulamentou o uso de tabaco em várias situações, hoje compreendidas pela grande maioria da população. O aumento das consultas de cessação tabágica (embora em número insuficiente e, nalguns casos, com significativas listas de espera) foi outra medida importante, porque os utilizadores encontraram locais onde poderiam tratar a sua dependência. Outro benefício foi a comparticipação na aquisição de vareniclina (“Champix”), um fármaco com bons resultados para deixar de fumar.

No entanto e mais recentemente, verificou-se que um segmento da população não tem revelado quebra no consumo: são as mulheres jovens. Por essa razão decidiu o Ministério da Saúde fazer um filme que contivesse uma mensagem forte, dirigida ao setor feminino jovem, para incentivar a paragem do consumo.

Foi uma boa decisão. Qualquer campanha de prevenção deve ter um alvo bem definido, após monitorização da dimensão do problema na comunidade, como foi o caso. Necessita de avaliação posterior, mas a iniciativa foi correta.

Tenho dificuldade em aceitar a crítica de que é uma campanha misógina e contra a igualdade. Uma iniciativa que pode levar a ganhos de saúde nas pessoas jovens do sexo feminino não pode ser contra as mulheres. Uma ação que diminua o risco nos filhos de exposição ao tabaco só pode ser bem-vinda. Continuemos, claro.

O autor escreve segundo o novo Acordo Ortográfico