Bicicletas, surf e comida saudável com vista para o mar

A Chelo Coast House tem bicicletas feitas à mão, fatos de surf e pratos tão saudáveis como saborosos. Tudo a pensar no ambiente e num estilo de vida sustentável.

Bicicleta
Foto

A meia dúzia de passos do mar de Matosinhos, encontramos a Chelo Coast House. Abriu em Fevereiro pelas mãos de Marie Lenormand e Marcelo Pizarro e, além de funcionar como loja e vender bicicletas exclusivas, é uma cafetaria e oficina gratuita para ciclistas.

Em Santiago do Chile, uniu-os há cinco anos a paixão pelas bicicletas e o estilo de vida sustentável. Ela parisiense, ele chileno, viveram em Santiago e em Paris até que decidiram surfar desde a costa francesa até Lisboa.

“Portugal estava na lista dos países em que o Marcelo queria fazer surf. Eu já cá tinha estado e lembrava-me que os portugueses eram pessoas acolhedoras e tranquilas, sempre a ajudar e a sorrir”, conta Marie. No entanto, cansados do frenesim da capital, no início de 2017 encontraram em Matosinhos o local ideal para estacionar a bicicleta e construir uma casa de praia.

PÚBLICO -
Foto

“Pensamos no projecto sempre como um lugar onde pudéssemos acolher pessoas e conversar, por isso abrimos logo com uma parte de café, porque isso dá-lhes uma desculpa para ficarem cá mais um pouco”, explica Marie, de sorriso no rosto e cotovelos apoiados na comprida mesa de madeira que convida à partilha e à comunhão.

É neste espaço amplo e luminoso que Marcelo constrói à mão as bicicletas com design exclusivo e convida os clientes a “porem mãos à obra” na oficina gratuita. São 10 os modelos da Chelo Bykes — entre os 1800 e os 2400 euros —, e até já são exportadas para o estrangeiro. Para o casal, as bicicletas são “símbolo de alguém que, apesar de estar a morar na cidade e ter um modo de vida contemporâneo, está consciente de que pode usar um meio de transporte melhor para a saúde e para o ambiente”.

Marie e Marcelo tentam ser o mais ecológicos possível e a Chelo Coast House só podia ser reflexo disso, desde o design e decoração — paredes caiadas, pavimento de madeira e mobília de artesãos e empresas da região — aos produtos que servem e marcas vendidas.

Escolheram a marca americana Patagonia por ter “uma política de responsabilidade social e ambiental muito forte”, as mochilas feitas a partir de materiais reciclados da Millican, o calçado é fabricado em Santa Maria da Feira pela alemã Langbrett e têm ainda acessórios de cortiça, couro e madeira da MUD, de Ovar.

No que toca à mesa, para além das tostas, sanduíches e batidos, por menos de 5 euros servem todos os dias pratos saudáveis (sobretudo vegetarianos) “com influências do mundo” e das viagens, pastelaria feita por Marie e sumos naturais. Ao domingo, por 7 euros, têm brunch com fruta fresca da época, papas de aveia, pães variados (de alfarroba, frutos vermelhos ou batata doce), ovos mexidos, muesli e granola, com café ou chá à escolha.

PÚBLICO -
Foto

Se no início havia quem andasse à volta de loja, curioso, sem entrar, Marie e Marcelo já conquistaram os vizinhos, com quem criaram amizade. “Já somos parte da paisagem local”, dizem.

A ideia é desenvolver na Chelo Coast House mais actividades como workshops, passeios de bicicleta, projecção de documentários e iniciativas de activismo. Em relação à Chelo Bykes, Marie e Marcelo estão empenhados em “fazer a marca crescer” para o resto do mundo. Por enquanto, preferem permanecer em Matosinhos, de pés na areia e cabeça no mar.

Texto editado por Sandra Silva Costa