Polícia Judiciária usa tecnologia da Microsoft para combater pornografia infantil

Foi assinado um memorando com a empresa para reforçar as competências das forças de segurança em Portugal.

Polícia, Polícia Judiciária, Judiciário, Brott
Foto
fabio augusto/arquivo

A Polícia Judiciária vai começar a utilizar tecnologia Microsoft para identificar e eliminar da Internet imagens de exploração sexual infantil mais rapidamente.

O sistema, chamado PhotoDNA, foi criado em 2009 e é utilizado por várias organizações internacionais. Permite converter uma imagem em valores numéricos (uma espécie de impressão digital da imagem, conhecida como “hash”), que é comparada com bases de dados internacionais massivas de imagens e vídeos ilegais.

O objectivo é reforçar as competências das forças de segurança em Portugal, como parte de um Memorando de Entendimento entre a Microsoft e a PJ. Foi assinado mesta quarta-feira durante um evento conjunto organizado pela Microsoft Portugal e o Gabinete Nacional de Segurança, em Oeiras.

“À semelhança de outras áreas, também a investigação forense e o combate ao cibercrime estão a ser impactados positivamente pela digitalização”, explica Paula Panarra, diretora geral da Microsoft Portugal, em comunicado.

No ano passado, a tecnologia PhotoDNA da Microsoft esteve na base da criação de nove milhões denúncias feitas ao Centro Nacional de Crianças Desaparecidas e Exploradas dos EUA.

Para António Gameiro Marques, diretor geral do Gabinete Nacional de Segurança, a aliança permite ao Estado português "acesso a informação privilegiada, que permitirá a diminuição significativa do tempo de detecção e reacção a ameaças de cibersegurança."