António Costa reeleito secretário-geral do PS com 96%

O líder do PS foi reeleito com o resultado provisório de 96%. Elza Pais ficou perto dos 90%. Costa agradeceu em vídeo.

António Costa foi reeleito líder do PS
Foto
António Costa foi reeleito líder do PS LUSA/MÁRIO CRUZ

António Costa foi neste sábado reeleito secretário-geral do PS com uma percentagem de 96%, de acordo com os resultados provisórios apurados pela Comissão Organizadora do Congresso e fornecido ao PÚBLICO pelo seu presidente, Manuel Lage. O outro candidato às eleições directas do líder pelos militantes do PS, Daniel Adrião recolhia 4% dos votos. Em termos de delegados eleitos, Costa elegera já 1753 e Adrião 36. O total de delegados eleitos é de 1851.

Elza Pais foi reeleita presidente do Departamento Nacional das Mulheres Socialistas com perto de 90% dos votos, tendo sido a única candidata a esta eleição directa pelos militantes do PS.

Estes resultados reflectiam o apuramento de 91% das federações do PS em todo o país.

Há dois anos, era já primeiro-ministro, António Costa foi reeleito, em directas, líder do PS com 95,3% dos votos, tendo então Daniel Adrião recolhido 2,8%.Há quatro anos, na sua primeira eleição, o líder do PS obteve 96% dos votos nas directas, que disputou sem adversário. Meses antes, nas primárias – eleições abertas a simpatizantes do partido -, em que desafiou o então líder António José Seguro, Costa obteve 67,77% dos votos e Seguro ficou-se pelos 31,54%.

No curto vídeo de um minuto e dezanove segundos em que agradece a vitória aos militantes socialistas e a participação destes nas eleições directas, Costa sublinha a “a forma tão expressiva” como os socialistas “renovaram a confiança” na sua liderança do PS.

Logo de início, faz questão de “dirigir uma saudação muito especial” a Daniel Adrião que se candidatou contra si, de forma a poder apresentar uma moção de estratégia global para ser discutida no 22.º Congresso, que decorre entre 25 e 27 de Maio na Batalha.

O líder do PS saúda também “todos os delegados que foram eleitos e que estarão presentes” na reunião magna dos socialistas e apelou “a uma grande mobilização para uma participação activa no Congresso e um Congresso muito vivo”, garantindo que “os portugueses aguardam com interesse” esse momento, pois será aí que o PS irá poder demonstrar “a capacidade” de “responder a quatro grandes desafios estratégicos que o país tem de enfrentar nas próximas décadas”.

Entrando nos quatro eixos em que a sua moção de estratégia global (“Geração 20/30”) está estruturada, o líder reeleito referiu “o desafio das alterações climáticas, o desafio demográfico, o desafio que temos com a sociedade digital”. E, por fim, o “combate contra as desigualdades”, que caracterizou como o “desafio de sempre dos socialistas”.

Costa sublinhou ainda que “ao mesmo tempo” que os socialistas têm “de estar totalmente concentrados na execução do programa do Governo, dia a dia, até ao final da legislatura”, têm de “ser capazes de pensar o futuro de forma” a encontrarem “uma boa visão estratégica que enquadre o programa das eleições europeias do próximo ano e o programa.

Nestas directas foi estreada uma plataforma digital para a recolha de votos. Cada secção tinha uma palavra passe com a qual podia descarregar digitalmente os resultados da respectiva mesa eleitoral. A contagem de votos foi feita usado outras duas vias tradicionais: a recolha de dados eleitorais por telefone, a nível nacional, e o transporte em mãos para a sede nacional do Rato, na zona de Lisboa.