A água da torneira também vai ao congresso do PS

Dois militantes do PS apresentam moção sectorial para generalizar o consumo da água da torneira em toda a administração pública e eventos por si organizados.

A água da torneira é de grande qualidade
Foto
A água da torneira é de grande qualidade Rita Franca

Quase 99% da água da torneira consumida em Portugal em 2017 era controlada e de boa qualidade. O consumo de água engarrafada tem um custo económico, aumenta a produção de resíduos e, especialmente a de embalagens de plástico, constitui uma ameaça para o ambiente. Sendo assim, porque é que em tudo o que evento público e até no privado não se usa a água da torneira? As respostas podem ser muitas, mas dois militantes socialistas querem mudar esta prática e vão levar o assunto ao XXII Congresso do PS.

“A utilização de água da torneira na Assembleia da República, Entidades Públicas e Eventos Públicos de grande dimensão”, assim se chama a moção sectorial que Marcos Sá e Pedro Farmhouse vão levar ao congresso socialista que se inicia a 25 de Maio, na Batalha.

A substituição da água engarrafada por água da torneira há muito que é discutida na Assembleia da República (AR). Em 2011, o Conselho de Administração da AR deu um parecer negativo a um projecto de deliberação do PS para substituir as garrafas de água mineral por jarros com água da torneira. Razões: falta de garantias de higiene, aumento de custos e falta de pessoal suficiente para encher, substituir, lavar e secar jarros de água. Em 2012 foi dado um passo importante, quando se trocaram as garrafas de plástico usadas no Parlamento por garrafas de vidro reutilizáveis pela empresa fornecedora. Nunca foi adoptado, porém, o uso de água da torneira.

Os dois socialistas querem mudar esta prática, não só na AR mas também em todos os eventos do PS, e sensibilizar o Governo e as entidades públicas para que adiram ao consumo de água da torneira nos seus eventos e instalações.

Marcos Sá e Pedro Farmhouse, no texto da moção que vão apresentar, lembram que o volume total de resíduos em Portugal está estimado entre 20 a 30 milhões de toneladas, e que, desses, 4,64 milhões de toneladas são respeitantes a resíduos urbanos. Cerca de 20% são referentes a resíduos de embalagens, aferindo-se em cerca de 11% o valor respeitante a resíduos plásticos. Só no ano de 2016, no âmbito da retoma do Sistema Integrado da Sociedade Ponto Verde, foram contabilizadas aproximadamente 26 milhões de toneladas de garrafas plásticas.

Os socialistas recordam ainda que o lixo marinho, principalmente os plásticos, “ameaça não só a saúde dos nossos mares e costas, mas também a nossa economia e as nossas comunidades”.

Os dois militantes do PS asseguram também que “o recurso à água da torneira apresenta vantagens inequívocas ao nível da redução da produção de resíduos e da racionalização do uso de recursos naturais, desígnios maiores da política de ambiente”. Mais: o consumo da água da torneira “pode gerar uma poupança até 280 vezes, em comparação com o valor de compra de um litro de água engarrafada e reduzir o consumo de 5 quilos de plásticos por cidadão/ano”.

Por tudo isso, querem que o congresso socialista discuta e delibere sobre o uso de água engarrafada em todos os eventos do partido, públicos ou privados, em toda a actividade parlamentar e em toda a administração pública, “com a instalação de bicas de água que permitam o consumo da água da torneira, em condições de segurança e higiene e mesmo em todo o tipo de eventos levados a cabo por autoridades públicas, nomeadamente as autarquias e estabelecimentos de ensino. Não deixam nada de fora: conferências, organização de debates, workshops, concertos, maratonas, festas dos municípios e tudo o mais. Que tudo o que tenha mão pública seja servido a água da torneira.

Recomendam ainda ao Instituto de Turismo de Portugal, às associações de municípios e de freguesias que “sensibilizem as associações de hotelaria e restauração para o consumo da água da torneira. E querem também que “a excelente qualidade da água da torneira” seja promovida aos 20,6 milhões de turistas que visitam por ano Portugal.