Doenças reumáticas acarretam maiores custos para o doente

Estudo da Universidade do Porto mostrou que as doenças reumáticas são responsáveis por 10% das despesas não comparticipadas do doente e por cerca de 7,5% da utilização frequente dos cuidados de saúde.

Paulo Pimenta
Foto
Paulo Pimenta

O Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP) comparou as doenças reumáticas com outras patologias não transmissíveis e concluiu que, isoladamente, o primeiro grupo de doenças é o que acarreta maior impacto para a sociedade.

Segundo o estudo do ISPUP, a que a Lusa teve acesso, esse impacto é visível, nomeadamente, aos níveis dos custos para o doente e da utilização dos cuidados de saúde.

A investigação avaliou de que forma um conjunto de doenças não transmissíveis, entre as quais a diabetes, a hipertensão, o AVC, a depressão, o enfarte do miocárdio e as doenças reumáticas, influenciam determinados resultados em saúde, concretamente, a forma como o doente avalia o seu estado de saúde, a incapacidade de curta ou longa duração, a dor crónica, a utilização frequente dos serviços de saúde e as despesas com cuidados de saúde não comparticipadas.

O estudo mostrou, por exemplo, que as doenças reumáticas são responsáveis por 10% das despesas não comparticipadas do doente e por cerca de 7,5% da utilização frequente dos cuidados de saúde.

"Estes números são expressivos quando comparados com o AVC ou o enfarte do miocárdio, os quais, se fossem evitados, permitiriam ao doente poupar cerca de 3 a 4% das suas despesas e contribuiriam para reduzir aproximadamente 2 a 3% da frequência regular dos cuidados de saúde", explica Daniela Simões, primeira autora do estudo, publicado na revista Rheumatology International, e coordenado pela investigadora Raquel Lucas.

Devido à sua alta prevalência, "as doenças reumáticas acabam por ter maior impacto na sociedade. Há várias patologias que a nível clínico afectam muito o indivíduo, como, por exemplo, o AVC e outras doenças cardiovasculares, mas, quando abandonamos a análise do indivíduo e nos focamos na população em geral, vemos que a diminuição da prevalência das doenças reumáticas iria evitar uma maior carga sobre a sociedade e o sistema de saúde", refere Daniela Simões.

"No fundo, este estudo mostra que as doenças consideradas mais importantes a nível individual ou clínico nem sempre são aquelas com maior impacto na população em geral", acrescenta.

O estudo utilizou dados de 23.752 portugueses, que responderam ao Inquérito Nacional de Saúde, coordenado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE, IP) em colaboração com o Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, em 2005/2006.

As doenças reumáticas têm uma prevalência elevada na população portuguesa, afectando, neste estudo, cerca de 21,4% dos participantes.

A investigação é também assinada pelos investigadores Fábio Araújo, Teresa Monjardino, Milton Severo, Ivo Cruz e Loreto Carmona.