Magistrados só vão poder aceder ao Citius com cartão

Centro de Dados Alternativo, localizado em Évora, deve começar a funcionar ainda este ano, permitindo que sistema informático continue a funcionar em caso de incidente grave no centro principal

Foto
NFACTOS/Fernando Veludo

Os magistrados vão ser obrigados já a partir do próximo mês a usar os smartcards que já possuem para aceder ao sistema informático Citius, aumentando desta forma o nível de segurança da aplicação. A medida, confirmada ao PÚBLICO pelo Ministério da Justiça, foi tomada no rescaldo do inquérito E-Toupeira em que um técnico que dá apoio informático aos tribunais é suspeito de ter usado a password de uma procuradora para conseguir acompanhar a tramitação de vários inquéritos em segredo de justiça.

Até agora os magistrados conseguiam aceder ao Citius através de uma password que não tinha limite de validade, sendo obrigados a usar o cartão apenas quando precisavam de assinar digitalmente um documento.

Também este ano deverá começar a funcionar o Centro de Dados Alternativo, localizado em Évora, que permitirá tornar o Citius mais resiliente e mais seguro. No terceiro trimestre do ano, este centro deverá passar a complementar a capacidade do centro principal do Instituto de Gestão Financeira e Equipamento da Justiça (IGFEJ), o que permitirá o sistema continuar a funcionar mesmo que ocorra um incidente grave nas instalações principais.

Sobre as ameaças externas, o ministério garante que no ano passado foram reforçados os sistemas contra ataques de intrusão e software malicioso do IGFEJ, destacando-se uma nova solução de firewall. Sobre os ataques de que o instituto foi alvo, o ministério reconhece que em 2017 ocorreram "vários ataques informáticos externos do tipo denial of service [envio maciço de pedidos de acesso a um servidor, uma sobrecarga que conduz à incapacidade de resposta] ou tentativas de contaminação por malware”. O ministério garante que dos ataques não resultou qualquer roubo de dados e precisa que o Citius dos tribunais “nunca foi alvo de ataque externo”.