Um terço dos alunos entra no secundário com negativa a Matemática

Novo estudo da Direcção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência vem confirmar que há quatro disciplinas "negras" no 3.º ciclo, devido à percentagem de negativas que acumulam. Matemática e Inglês são as que têm piores desempenhos.

A disciplina de Matemática é a que tem maior percentagem de negativas no 3.º ciclo
Foto
A disciplina de Matemática é a que tem maior percentagem de negativas no 3.º ciclo Nuno Ferreira Santos

São muitos os alunos que entram no ensino secundário sem terem conseguido passar a Matemática. Em 2015/2016, último ano com dados divulgados, 33% dos alunos que concluíram o 9.º ano, o último do ensino básico, tiveram negativa a Matemática, tendo por isso reprovado nesta disciplina, mostram dados tornados públicos pela Direcção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC).

Neste estudo, a DGEEC seguiu o percurso individual dos alunos nos três anos de escolaridade do 3.º ciclo (7.º, 8.º e 9.º) para saber quais tinham sido as suas notas internas (dadas pelo professores), quantas negativas somaram e quantos conseguiram levar estas notas para terreno positivo no ano lectivo seguinte. Foram analisados dados respeitantes a cinco anos: de 2011/2012 a 2015/2016.

Neste período de tempo, a percentagem de alunos que concluiu o 9.º ano com negativa a Matemática subiu de 23% para 33%. E a proporção dos que conseguiram recuperar desta negativa oscilou entre 16% e 20%. Das 12 disciplinas que fazem parte da matriz curricular do 3.º ciclo, Matemática é a que tem maior percentagem de negativas e também aquela onde menos alunos conseguem recuperar, transformando estas “negas” em classificações positivas.

“Estes dados mostram que os nossos alunos não estão a ter uma formação básica a Matemática”, comentou ao PÚBLICO a presidente da associação de professores da disciplina, Lurdes Figueiral, que manifestou a sua “preocupação” face a estes resultados, que já tinham sido evidenciados em outros estudos da DGEEC, relativos apenas ao ano lectivo de 2014/2015, sobre as notas internas por disciplina no 2.º e 3.º ciclo que foram atribuídas naquele período.

PÚBLICO -
Aumentar

Para a Associação de Professores de Matemática (APM), adiantou Lurdes Figueiral, estes dados vêm comprovar que é necessário levar por diante “uma séria avaliação e um investimento profundo na análise e na resolução da questão do ensino e aprendizagem da Matemática no ensino básico, com a adopção de medidas abrangentes que incidam sobre os programas curriculares, apoios e acompanhamento nas dificuldades identificadas nos alunos o mais precocemente possível (que como indicam também os resultados, não podem ser mais do mesmo), formação e acompanhamento dos professores, sobretudo no que toca às práticas lectivas”.

Inglês entre as disciplinas "negras"

Para além da Matemática, as outras três disciplinas “negras” no 3.º ciclo são Inglês, Físico-Química e Português. A percentagem de alunos que concluíram o 9.º ano chumbados a Inglês passou de 11% para 9% entre 2011/2012 e 2015/2016. A Físico-Química subiu de 8% para 9% e a Português baixou de 7% para 4%.

Estas mesmas disciplinas são também, e pela mesma ordem, aquelas onde, a seguir a Matemática, os alunos revelam maiores dificuldades em transformar uma nota negativa numa positiva. 

PÚBLICO -
Aumentar

José Moura Carvalho, da Associação Portuguesa de Professores de Inglês, aponta factores transversais a todas as disciplinas que afectam as aprendizagens, como acontece com o “elevado” número de alunos por turma, a “desmotivação” dos estudantes e o “fosso imenso” que separa a escola do mundo onde estes vivem cá fora, nomeadamente no que respeita ao uso de novas tecnologias. Frisa que “os professores descartam os conhecimentos e competências que os alunos adquirem por estas vias”.

Ora, adianta, as “tecnologias podem ser centrais para a aprendizagem” e ainda mais quando se trata de aprender uma língua estrangeira, possibilitando, por exemplo, o contacto regular com “falantes nativos de inglês”. Existem programas e aplicações disponíveis para tal, não estão é nas escolas, o que não devia acontecer, refere.

José Moura Carvalho considera que é necessário dar formação aos professores para que estes possam adoptar “metodologias mais activas” de ensino, defende que a carga horária da disciplina deveria ser reforçada e que pelo menos durante um dos tempos semanais as turmas deveriam ser divididas ao meio de modo a permitir um melhor treino da oralidade.

O estudo da DGEEC mostra também que 97% dos alunos que chumbaram no 9.º ano em 2014/2015 tiveram negativas a Matemática. E que no ano lectivo seguinte, 2015/2016, apenas 31% conseguiram recuperar essa negativas. Para o investigador e professor da Universidade do Minho, Leandro Almeida, esta é mais uma prova de que “o rendimento do aluno, e a sua recuperação, não depende da repetição de matérias por retenção ou reprovação, mas sim da qualidade da aprendizagem e da qualidade do ensino do professor que necessariamente deve atender à capacidade e forma de aprender do aluno”.